Asma

Data da última atualização: 05-Apr-2022

15 minutos lidos

Definição de doença asmática

A asma é uma condição médica dos pulmões e vias aéreas que dificulta a respiração, sendo os sintomas mais comuns tosse, chiado e falta de ar. Embora seja uma doença tipicamente encontrada em crianças, muitos adultos sofrem dela também, com a gravidade dos sintomas variando de menor a risco de morte.

A doença asmática é uma condição complexa e diversificada que pode ter múltiplas causas, que levam a diferentes tipos de asma. Neste artigo vamos abordar todas as coisas relativas à asma, desde explicar a anatomia e fisiologia da respiração até descrever os sintomas da asma, o que causa isso, qual médico é mais adequado para diagnosticá-la, como você pode tratá-la, quais são algumas maneiras de preveni-la e muito mais!

 

Anatomia e fisiologia do sistema respiratório

Antes de mergulharmos no assunto da asma e o que significa para a fisiologia e anatomia da pessoa que sofre dessa condição, é importante entender como o sistema respiratório humano normalmente funciona.

Em palavras simples, o sistema respiratório é responsável por colocar oxigênio na corrente sanguínea (inspiração) e tirar dióxido de carbono do corpo (expiração). Isso é conseguido graças às vias aéreas, um par de pulmões e os músculos envolvidos na mecânica da respiração. No entanto, o sistema respiratório também desempenha alguns outros papéis importantes em nossas vidas, como: nos ajudar a falar e cheirar, ajudar a regular a temperatura do nosso corpo de acordo com a umidade do ambiente em que estamos e proteger nossas vias aéreas de diferentes substâncias que podem ser prejudiciais para o nosso corpo.

Em uma visão geral mais detalhada, o sistema respiratório humano tem alguns componentes, tais como:

  • nariz e boca – as partes externas do sistema respiratório responsáveis por permitir que o ar entre no corpo e também saia; o nariz também atua como um agente protetor contra substâncias nocivas com seus cabelos e mucosas que criam uma barreira orgânica;
  • seios paranasais– cavidades vazias dentro dos ossos do crânio; os seres humanos têm quatro tipos de seios paranasais: maxilar (nas maçãs do rosto), frontal (entre o nariz e a testa), ethmoidal (entre os olhos) e esfenoidal (atrás do nariz); essas cavidades têm uma camada de muco e geralmente estão vazias, exceto quando há uma infecção que causa um acúmulo de muco; o principal papel dos seios paranasaisé regular a umidade e os níveis de temperatura do ar que inalamos;
  • amígdalas ou tonsilas palatinas – glândulas linfáticas localizadas na parte de trás da garganta que atuam como barreira contra agentes patógenos;
  • faringe – o tubo que é forrado com músculos que possibilita que o ar viaje do nariz e da boca até a laringe, bem como para que os alimentos e líquidos cheguem ao estômago através do esôfago;
  • laringe – ou caixa de voz, é um tubo cilíndrico composto de cartilagens e músculos que contém as cordas vocais; representa o primeiro componente do sistema respiratório que não é comum com o trato digestivo, sendo a abertura na traqueia que leva o caminho para os pulmões;
  • epiglote – a epiglote é um retalho de tecido localizado na entrada da traqueia e pouco antes das cordas vocais; seu principal objetivo é fechar e proteger as cordas vocais de quaisquer alimentos ou líquidos que tenham que ir para o estômago através do esôfago, impedindo-os de atingir os pulmões;
  • traqueia – é o tubo que conecta a garganta aos pulmões; começa onde a laringe termina e antes de chegar aos pulmões, a traqueia se divide em dois tubos, um para cada pulmão (esses tubos menores são chamados de tubos brônquios ou tubos brônquicos); a traqueia é composta de músculo, tecido mole e mucoso, sendo umcomponente elástico do sistema respiratório que altera seu tamanho e omprimento a cada movimento respiratório;
  • tubos brônquicos – como mencionamos antes, os tubos brônquicos são duas ramificações da traqueia que permitem que o ar entre e saia de cada pulmão;
  • pulmões – o par de órgãos responsáveis pela troca de oxigênio e dióxido de carbono entre o ar e a corrente sanguínea; alguns dos componentes mais importantes dos pulmões são a pleura, os lóbulos, os bronquíolos, os alvéolos e os capilares que são essenciais no processo de troca de oxigênio e dióxido de carbono;
  • diafragma – o diafragma é um músculo localizado na área do tórax que ajuda nos movimentos associados à respiração; especificamente, o diafragma ajuda os pulmões a inalar e exalar o ar;
  • costelas – estes são os ossos que compõem a cavidade torácica, protegendo os pulmões e o coração, ao mesmo tempo em que ajudam no processo de inspiração e expiração, permitindo que os pulmões se expandam e se retraiam.

Existem muitas condições médicas associadas ao sistema respiratório, especialmente porque possui uma matriz tão complexa de componentes sendo cada um essencial para a funcionalidade de todo o sistema. Algumas das condições mais comuns envolvem inflamação de alguns componentes que podem ser causados por alergias, asma, infecções ou doenças como câncer ou DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica).

Até agora, vimos como o sistema respiratório normalmente funciona, mas uma pergunta prevalece: o que acontece com esses órgãos e como eles são afetados no caso de alguém desenvolver asma?

 

Sistema respiratório com asma – pulmões asmáticos

O que a asma realmente faz com o sistema respiratório é que causa inflamação, inchaço e estreitamento das vias aéreas, às vezes acompanhado de um excesso de muco. Esse processo dificulta a respiração, especialmente se os músculos que compõem as vias aéreas também se constringem. A longo prazo, a asma pode causar danos às vias aéreas, como o espessamento das paredes das vias aéreas ou até mesmo a remodelação das vias aéreas com modificações estruturais permanentes. Se agora você está se perguntando qual pode ser a causa desta condição grave e prejudicial, mais tarde abordaremos este assunto também.

Quem tem asma?

A asma é uma condição médica que pode afetar as pessoas em qualquer idade, mas geralmente se desenvolve nos estágios iniciais da vida, algumas pessoas se livram dela quando chegam à idade adulta. Há alguns casos de asma chamados de início adulto que se desenvolve mais tarde na vida.

A asma é hereditária?

Não há uma resposta direta para esta pergunta, mas pesquisas mostraram que se seus pais têm essa condição (especialmente sua mãe), há uma grande chance de você também desenvolver essa condição. A explicação está na passagem de genes que desempenham um papel na forma como seu sistema imunológico é formado.

 

Fatores de risco para asma

Existem alguns fatores de risco documentados para a asma e eles podem ser divididos em duas categorias: fatores sociodemográficos e fatores ambientais.

Os fatores sociodemográficos incluem:

  • idade – a asma é mais comum entre crianças, mas também pode se desenvolver mais tarde;
  • sexo – em crianças, os meninos são mais afetados por essa condição; em adultos, a asma é mais prevalente nas mulheres;
  • raça/etnia – Afro-americanos e hispânicos estão mais sob risco de desenvolver asma do que outras raças/etnias, sendo que crianças dessas categorias estão mais sob risco de complicações graves e até mesmo morte por asma;
  • nacionalidade – a asma é uma condição médica mais comum em países bem desenvolvidos (como Estados Unidos da América, Canadá, Austrália, Reino Unido, República da África do Sul); no entanto, as taxas de mortalidade são mais elevadas em países em desenvolvimento.

 

Os fatores ambientais incluem:

  • exposição a alérgenos – a asma é comumente uma reação alérgica, o que significa que a exposição a diferentes tipos de alérgenos pode aumentar o risco de desenvolver asma (ou desencadear um ataque de asma se a condição já estiver presente); os alérgenos mais comuns que estão associados ao agravamento dos sintomas da asma são poeira,, pólen, animais de estimação;
  • fumaça de cigarro – a exposição à fumaça de cigarro no pré-natal ou após o nascimento está associada a um maior risco de desenvolver asma na infância; além disso, a fumaça do cigarro diminui drasticamente as funções pulmonares em pessoas com asma, aumentando a gravidade dos sintomas e reduzindo a probabilidade do tratamento ser capaz de controlar os sintomas;
  • local de trabalho tóxico – a exposição a diferentes tipos de produtos químicos, toxinas, poeiras industriais pode aumentar o risco de asma (esse tipo de asma também é referida como asma ocupacional).

 

Asma – sintomas

A asma é uma condição que vem de diferentes formas, o que significa que os sintomas que uma pessoa experimenta dependem do tipo de asma que ela tem. No entanto, esses são os sintomas mais comuns desta condição médica: chiado (uma espécie de som em assobio que acontece quando a pessoa respira – respiração asmática), tosse, falta de ar, sensação de aperto no peito, fadiga. Quando esses sintomas se agravam por um período de tempo, isso é chamado de ataque de asma.

É importante saber que cada pessoa é diferente, então ela pode ter sintomas diferentes em intensidade diferente. Além disso, esses sintomas podem variar de um ataque para outro e a mesma pessoa pode ter sintomas brandos uma vez, mas graves na próxima vez. Alguns pacientes com asma podem passar muito tempo antes de sofrer um ataque de asma e outros podem ter um aumento de sintomas durante atividades específicas. Embora ataques leves sejam mais comuns e mais fáceis de gerenciar, ataques graves são graves e geralmente requerem assistência médica.

Ataque de asma - asma com exacerbação aguda

 

Dado o fato de que os sintomas da asma não são permanentes, quando eles ressurgem e pioram, os termos usados para descrever esse fenômeno são exacerbação (exacerbação aguda da asma), ataque (ataque de asma), episódio ou recaída.

Ataque de asma é o termo usado para descrever o episódio em que os sintomas da asma pioram e é caracterizado pelo broncoespasmo (aperto dos músculos que compõem as vias aéreas), inflamação e aumento da produção de muco. Essas condições fisiológicas e mecânicas levam aos principais sintomas da asma (por exemplo, falta de ar, chiado, tosse). O que é mais específico para um ataque de asma é que esses sintomas são graves por um período de tempo e podem ser acompanhados de dor no peito, dificuldades de falar e ansiedade. As coisas podem piorar rapidamente e um ataque de asma pode facilmente se tornar fatal se não for tratado adequadamente, às vezes requerendo assistência médica imediata. O tratamento de exacerbação da asma é discutido mais tarde, na seção de tratamento.

Por que asma pior à noite?

Às vezes, os sintomas da asma pioram durante a noite, o que levou os especialistas a chamarem essa condição de asma noturna. Essa condição afeta a qualidade de repouso para a pessoa que sofre com isso, tornando mais difícil gerenciar os sintomas que ocorrem durante o dia também.

Embora não haja uma razão específica para que os sintomas da asma piorem à noite, especialistas no campo encontraram algumas causas potenciais, tais como: uma grande quantidade de muco que é drenado durante o sono dos seios (as vias aéreas são sensíveis e o muco desencadeia asma); a posição deitada que ajuda a drenagem do muco dos seios, aumento do fluxo sanguíneo nos pulmões e da resistência das vias aéreas; dormir em um quarto com ar-condicionado que desumidifica o ar; ter refluxo ácido ou doença do refluxo gastroesofágico do estômago que pode causar um espasmo dos brônquios; os baixos níveis de epinefrina na corrente sanguínea que é característico durante o sono.

 

Asma – causas e gatilhos

Como vimos antes, até agora não há muita luz sobre o porquê de algumas pessoas terem asma, mas pesquisas mostraram que existem alguns fatores de risco genéticos e ambientais que desempenham um papel importante.

Quanto ao que desencadeia os sintomas de asma e um ataque de asma, as coisas podem ser muito diferentes de uma pessoa para outra. Considerando que geralmente a asma é uma resposta alérgica, alguns gatilhos podem ser pólen, poeira, ou animais de estimação. No entanto, a asma também pode ser desencadeada por uma infecção do sistema respiratório, por atividade física intensa, fumaça ou outros poluentes no ar, alguns medicamentos (como aspirina ou ibuprofeno), estresse ou doença do refluxo gastroesofágico.

 

Tipos de asma

Considerando os muitos tipos de gatilhos e causas que podem levar à asma, essa condição pode ser classificada da seguinte forma:

  • asma em crianças – a asma é mais comum em crianças, sendo o início tipicamente na infância; a maioria das crianças se livram de seus sintomas quando atingem a idade adulta;
  • asma de início adulto – adultos também podem desenvolver asma, mas geralmente antes dos quarenta anos;
  • asma induzida pelo exercício – essa asma aparece durante a atividade física e é causada pela secura do ar que a pessoa inala em comparação com o nível de umidade do corpo;
  • asma alérgica – ou asma extrínseca é um tipo de asma causada pelos diferentes tipos de alérgenos que podem desencadear uma reação alérgica; geralmente é sazonal, co-ocorrendo com alergias sazonais;
  • asma não alérgica – ou asma intrínseca é causada por substâncias no ar que não têm nada a ver com alergias, como fumaça, ar frio, poluição, perfumes, produtos de limpeza;
  • asma ocupacional – ocorre em pessoas que têm um ambiente de trabalho cheio de vapores, substâncias químicas, poeira, gases;
  • asma induzida por aspirina – é a reação alérgica do corpo à aspirina, que desencadeia os sintomas da asma;
  • asma noturna – como discutido anteriormente, os sintomas aumentam durante a noite;
  • asma variante da tosse – o único sintoma presente é uma tosse seca e de longo prazo.

 

Bronquite asmática

Bronquite é uma condição médica dos tubos brônquicos que são as duas ramificações da traqueia nos pulmões. Quando esses tubos começam a ficar inflamados, a condição é conhecida como bronquite.

Você pode ter bronquite sem ter asma, no entanto, se você tem asma, as chances de também ter bronquite são maiores. O termo bronquite asmática é usado para descrever a bronquite que você adquire como resultado direto da asma. Mesmo que vejamos que há uma ligação entre as duas condições médicas, elas são diferentes em relação ao que as está causando. A bronquite, como o nome também sugere, é resultado de uma infecção, enquanto a asma é mais ou menos uma reação alérgica.

No entanto, as duas condições podem ficar facilmente confundidas porque seus sintomas são quase os mesmos: chiado, falta de ar, aperto no peito. Um médico especialista e testes específicos podem determinar de qual você sofre.

 

Asma com DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica)

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica é o termo usado para descrever um grupo de condições médicas que afetam a respiração e obstruem o fluxo de ar, como asma grave, bronquite crônica e enfisema (danos nas paredes dos alvéolos nos pulmões). Embora pessoas com asma ou DPOC geralmente não  desenvolvam a outra condição (asma para DPOC não é uma relação bidirecional), é possível que as duas co-ocorram, nesse caso o termo usado é Síndrome de Sobreposição asma - DPOC.

Os sintomas desta condição são semelhantes aos da asma, e embora não seja grave o tempo todo, pode rapidamente se tornar fatal. Devido às semelhanças na sintomatologia, geralmente as pessoas com asma não recebem um diagnóstico de DPOC quando é o caso, o que é lamentável, uma vez que ambas as condições devem receber tratamento adequado.

 

Asma ou ansiedade

Um dos gatilhos da asma também pode ser o estresse emocional. Experimentar o estresse também pode levar à ansiedade se a pessoa não sabe como gerenciar situações estressantes que, em alguns casos, podem desencadear ataques de pânico. Ataques de pânico são episódios de ansiedade severa que acontecem de repente. Embora às vezes seja difícil fazer a diferença entre um ataque de asma e um ataque de pânico porque ambos causam dificuldades respiratórias e aperto no peito, existem algumas características que facilitam o diagnóstico diferenciall. Por exemplo, o ataque de pânico também vem com hiperventilação, náusea, sudorese, tontura, aumento da frequência cardíaca e medo de morrer, que não são sintomas que ocorrerão em um ataque de asma.

 

Diagnóstico de asma

A asma é diagnosticada por um médico após uma avaliação do histórico médico do paciente, um exame físico e, às vezes, alguns exames adicionais. Alguns dos testes específicos de asma ou teste de controle de asma incluem: espirometria (um teste que avalia o volume de ar que o paciente inala e expira), fluxo de pico (mede quanto ar é empurrado para fora dos pulmões), desafio de metacolina (o paciente inala o químico metacolina antes e depois do teste de espirometria para ver se ela dispara o estreitamento das vias aéreas), raio-X do tórax ou tomografia computadorizada (para excluir a possibilidade de outras coisas que causam os sintomas), testes de alergia (para determinar se o paciente é alérgico a algo, nesse caso, o tratamento pode prevenir os ataques de asma).

Diagnóstico ambulatorial de asma e intervenções ambulatoriais para asma

Normalmente, o tratamento ambulatorial para asma é construído em torno da prevenção da reação alérgica, gerenciamento dos alérgenos, manutenção do fluxo de ar estável e vias aéreas e prevenir complicações adicionais do sistema respiratório.

 

Médico de asma / especialista em asma

Você já deve estar se perguntando "para asma, qual médico é recomendado?". Bem, os dois especialistas mais qualificados que podem ajudar a diagnosticar e tratar a asma são um pneumologista (ou médico de pulmões) ou um especialista em alergia e imunologia (especialistas em asma e alergia). Se você não conhece ninguém com essa experiência profissional ou não tem acesso a um clínico geral que pode encaminhá-lo a um, você sempre pode pesquisar "médico de asma perto de mim" / " especialista em asma perto de mim" e escolher alguém para marcar uma consulta.

 

Tratamento para asma

 

Embora não haja cura para a asma, existem algumas diretrizes gerais para o tratamento da asma, tornando seus sintomas mais fáceis de gerenciar. Essas recomendações geralmente incluem inaladores, comprimidos ou outras terapias que podem manter a asma sob controle. Quando você recebe o diagnóstico de asma, o médico criará um plano personalizado para você dependendo de seus sintomas específicos e gravidade, mas tenha em mente que esse plano pode sofrer alterações no tempo devido à forma como seus sintomas evoluem e seu corpo responde ao tratamento.

Inalador para asma

Existem três tipos de inaladores, um que ajuda a aliviar os sintomas (inalador de resgate  ou inalador de alívio para asma), um que impede que os sintomas progridam (inalador de prevenção) e outro que faça ambos.

Oxigenoterapia para asma

Outra forma de tratamento que é muito importante especialmente para crianças com asma é a oxigenoterapia para asma. A hipóxia, a condição em que não há oxigênio suficiente atingindo a corrente sanguínea e tecidos, é a principal causa de morte em crianças com asma. Portanto, a oxigenoterapia é essencial e muito útil no gerenciamento de sintomas da asma.

Umidificadorpara asma

Algo que pessoas com asma podem fazer para aliviar seus sintomas é usar um umidificador em seus quartos que pode manter o nível de umidade constante e também pode filtrar alérgenos e outras substâncias no ar que podem desencadear um ataque.

 

Asma é uma deficiência?

Agora está claro que a asma é uma condição médica grave que pode prejudicar criticamente a qualidade de vida e a capacidade de vida de alguém de trabalhar e funcionar corretamente. Como tal, a asma é classificada como uma deficiência, assim como alergias.

 

Conclusão

A asma é uma condição pulmonar que se manifesta através de problemas respiratórios que podem variar de leve a grave, até mesmo com risco de morte. Embora não haja uma coisa específica que cause asma ou uma cura para ela, existem algumas maneiras de adaptar seu ambiente e estilo de vida de uma maneira que previne surtos de asma, além de seguir o plano de tratamento aprovado por um profissional médico.

Artigos

Outros artigos