Cisto no Ovário – Causas, Sintomas e Tratamento

Data da última atualização: 05-Apr-2022

14 minutos lidos

 Cisto no ovário – definição de cisto ovariano

Cistos ovarianos são formações biológicas que se assemelham a um saco ou um bolso cheio de fluido que se desenvolvem dentro ou sobre os ovários. Esta é uma condição bastante comum, a maioria das mulheres têm cistos ovarianos, especialmente antes da menopausa, sem sequer saber. Esses cistos geralmente são inofensivos, mas também podem ser patológicos (malignos).

O tema da saúde reprodutiva é muito importante e para entender melhor o que são os cistos ovarianos, de onde eles vêm, quem os adquire e quando, primeiro tentaremos entender o que são os ovários e como eles funcionam.

 

Visão geral dos ovários

Os ovários representam uma parte muito importante do sistema reprodutivo de uma mulher. São as gônadas femininas (gônadas masculinas são os testículos), agindo como glândulas responsáveis por secretar e liberar hormônios, ao mesmo tempo em que abrigam os óvulos e os liberam com o propósito de fertilização.

Uma mulher normalmente tem dois ovários desde o nascimento. Ao nascer, esses órgãos ou glândulas não estão totalmente desenvolvidos, o processo de maturação começa assim que a mulher entra na puberdade. Os ovários têm uma forma ovóide, pesam aproximadamente 6-8 g e têm um diâmetro de 3-5 cm. Este par de órgãos está situado na região pélvica, em cada lado do útero, sendo mantidos no lugar por alguns ligamentos que os conectam ao útero.

Quanto ao que fazem, os ovários têm uma função mista: exócrina – produzem os óvulos e endócrina – são responsáveis pela secreção de estrogênio e progesterona, os dois hormônios reprodutivos femininos. Portanto, os ovários são os órgãos reprodutivos femininos primários e também as glândulas endócrinas responsáveis pela saúde reprodutiva da mulher.

 

  • Ovários – produção hormonal

Os dois principais hormônios produzidos e liberados pelos ovários são estrogênio e progesterona e têm papéis significativos durante a puberdade, bem como depois. Durante a puberdade, são os principais promotores do desenvolvimento de características sexuais em mulheres. O estradiol (que juntamente com estriol e estrona são os três hormônios que compõem o aglomerado de hormônios estrogênicos) é especialmente conhecido por seu papel na distribuição de gordura no corpo (principalmente nos seios, quadris, pernas) e no desenvolvimento dos órgãos reprodutivos femininos.

Mais um hormônio liberado pelos ovários é a relaxina. Este hormônio é de certa forma subestimado porque é útil principalmente durante o parto e o nascimento quando seu papel é relaxar os ligamentos pélvicos, tornando mais fácil para eles esticarem. Outro hormônio é a inibina que, através de um sistema de feedback negativo entre os ovários e a glândula pituitária, inibe a secreção do hormônio estimulante do folículo, bem como a secreção do hormônio luteinizante do hipotálamo.

 

  • O ciclo menstrual

O ciclo menstrual e suas características podem dar muita informação sobre a saúde reprodutiva de uma mulher. Consiste em um conjunto de mudanças que o corpo passa todos os meses para se preparar para uma eventual gravidez. Em suma, desde a puberdade até a menopausa, todos os meses, os ovários liberam um óvulo (eles se revezam, um mês é o ovário esquerdo, o próximo mês é o direito) em um processo chamado ovulação. Tudo isso depende muito dos níveis hormonais e mudanças que não só estimulam a liberação do óvulo para que ele (potencialmente) seja fertilizado, mas também ajudam a preparar o útero para sustentar uma gravidez em potencial. Se o óvulo não for fertilizado, a parede interna do útero que ficou mais espessa para receber o óvulo será derramada pela vagina, causando o sangramento menstrual ou menstruação.

Um ciclo menstrual completo geralmente leva entre 21 e 35 dias, com o sangramento durando de 2 a 7 dias. É bastante normal para o ciclo ter algumas irregularidades e não ter o mesmo comprimento todos os meses, mas avaliar o que é "normal" em relação ao ciclo menstrual é muito arriscado, pois depende de muitas características que variam de uma pessoa para outra. É por isso que é importante acompanhar seu ciclo menstrual e os sintomas que você tem todos os meses e consultar um profissional de saúde caso você tenha alguma dúvida ou dúvida sobre se o que você experimenta é normal ou pode ser um sinal de condição subjacente. Algumas das condições médicas que podem interferir no seu ciclo menstrual e torná-lo irregular podem ser distúrbios alimentares, síndrome do ovário policístico (PCOS – que será o foco deste artigo mais tarde), doença inflamatória pélvica (DPI) ou miomas uterinos.

 

  • Ovulação

A ovulação é o processo em que um dos dois ovários libera um óvulo por mês com a intenção de fertilizar o óvulo (consequentemente o início de uma gravidez). Este processo aparentemente fácil é muito complexo e é regulado pela atividade hormonal dos ovários, hipotálamo e glândula pituitária. Em suma, o hipotálamo envia um sinal alertando a glândula pituitária para iniciar a secreção e liberar o hormônio folículo estimulante  e o hormônio luteinizante.

Em cada um dos dois ovários há um número significativo de folículos cada qual abriga um óvulo dormente. Quando a glândula pituitária é estimulada e inicia a liberação de hormônio folículo estimulante e hormônio luteinizante, um desses óvulos dentro de um folículo começa a amadurecer enquanto o folículo migra para a parede da glândula. É quando a ovulação começa.

Quando o folículo e o óvulo são maduros o suficiente, o folículo se rompe, deixando o óvulo viajar para a trompa de Falópio mais próximo (dois tubos que conectam os ovários ao útero) e, eventualmente, ao útero. Este também é o tempo em que o antigo ponto no ovário onde o óvulo estava (chamado corpo lúteo) inicia a secreção de progesterona, preparando as paredes internas do útero para receber o ovo. Enquanto o óvulo viaja e chega ao útero, se não houver espermatozoides para fertilizá-lo, a secreção de progesterona começa a cair e o óvulo acabará sendo eliminado durante a menstruação. No entanto, se o óvulo for fertilizado, a secreção da progesterona continua, certificando-se de que o útero está preparado para "hospedar" o embrião, evitando também que os ovários produzam mais óvulos.

É possível ter um ciclo menstrual sem ovulação? A resposta curta é sim. Diferentes fatores ambientais ou individuais podem impedir que a ovulação aconteça em determinados momentos e, nesse caso, os profissionais utilizam o termo ciclo  "anovulatório".

 

  • Exame médico dos ovários

 

Existem alguns métodos médicos para avaliar a saúde ginecológica ou diagnosticar uma condição médica. Os médicos referem-se a um exame pélvico como uma combinação desses métodos destinados a verificar a vulva, vagina, colo do útero, trompas de Falópio, ovários, útero, bexiga e reto. Um exame pélvico pode incluir:

  1. exame visual – que pode ser externo ou interno; o exame visual externo é projetado para verificar quaisquer anormalidades, incluindo inflamação ou feridas, na área da vulva; o exame visual interno é realizado com um instrumento plástico ou metálico chamado espéculo que é usado para abrir as paredes vaginais; desta forma, o médico pode ver a vagina e o colo do útero;
  2. exame Papanicolau/esfregaço Papanicolau – coleta de células cervicais com uma varinha pequena que é posteriormente analisada em ambiente de laboratório;
  3. exame físico – esta é a parte do exame onde o médico pode examinar os ovários e o útero palpando o abdômen e a pelve; o médico geralmente verifica o tamanho e a forma desses órgãos e pode sentir se há alguma anormalidade presente.

 

  • Patologia dos ovários – doenças e transtornos

A maioria dos problemas em relação aos ovários são causados por cistos. Portanto, as condições mais comuns relacionadas aos ovários são cistos e síndrome do ovário policístico (PCOS). Discutiremos detalhadamente sobre estes mais tarde neste artigo, então se eles são de seu interesse, continue lendo. No entanto, há também outras condições médicas associadas aos ovários, como câncer de ovário, insuficiência ovariana primária (POI) e torção ovariana.

Câncer de ovário. Embora seja uma forma muito rara de câncer, o câncer de ovário é a principal causa de morte entre outros tipos de câncer reprodutivo. Isso se deve, em parte, ao fato de que o câncer de ovário é geralmente muito difícil de detectar e é diagnosticado quando está em seus estágios posteriores. Alguns dos sintomas podem ser dor na região inferior do abdômen, sensação pesada na pelve, sangramento, alterações de peso, menstruação irregular, dor nas costas, náusea. Os testes utilizados para diagnosticá-lo incluem exame físico e pélvico, ultrassom, exames laboratoriais e biópsia. Embora seja difícil tratar quando avança, cirurgia e quimioterapia podem oferecer alguma esperança.

Insuficiência ovariana primária (POI). Também é chamado de insuficiência ovariana prematura. Estes termos são usados para descrever a condição quando os ovários de uma mulher param de funcionar corretamente antes dos 40 anos. Isso significa que, para essas mulheres, os sintomas da menopausa começam muito cedo, sendo os mais significativos a menstruação irregular e a redução da fertilidade. No entanto, a POI não deve ser confundida com a menopausa prematura porque essas mulheres ainda podem ter menstruações de tempos em tempos e até mesmo engravidar. Alguns dos sintomas da insuficiência ovariana primária, além de períodos irregulares, são ondas de calor, irritabilidade, baixo desejo sexual e secura vaginal. Esta condição médica pode ser diagnosticada fazendo um exame físico, exames de sangue ou um ultrassom pélvico. Embora ainda não haja tratamento específico que possa ajudar a restaurar a função ovariana, existem algumas coisas que podem ajudar com os sintomas. Além disso, no caso de uma mulher com POI querer engravidar, a fertilização in vitro (IVF) pode ser usada. Para prevenir a osteoporose e doenças cardíacas, são aconselhadas terapia de reposição hormonal, suplementos de cálcio e vitamina D e atividade física regular.

Torção ovariana. A torção ovariana refere-se a quando um ovário gira em torno dos ligamentos que mantêm sua posição na área pélvica. Esta é uma condição médica grave porque causa baixo suprimento sanguíneo no ovário que com o tempo pode levar à morte dos tecidos. Alguns dos sintomas associados à torção ovariana são náuseas e vômitos, dor intensa na área pélvica, febre ou sangramento. Como esses sintomas são bastante semelhantes aos experimentados quando alguém tem apendicite, gastroenterite ou pedras nos rins, é muito difícil diagnosticar torção ovariana. No entanto, alguns dos exames que podem ser utilizados para um diagnóstico podem ser ultrassons transvaginais ou abdominais, tomografias computadorizadas ou exames de sangue. Infelizmente, a única opção de tratamento é a cirurgia, sendo a medicação útil para aliviar alguns dos sintomas.

Além disso, abordaremos o tema dos cistos ovarianos em detalhes, desde sintomas, causas e tipos até opções de diagnóstico e tratamento. Além disso, serão discutidas as diferenças entre cistos ovarianos e síndrome do ovário policístico (PCOS).

 

Cistos ovarianos

Um cisto ou mesmo múltiplos cistos no seu ovário   soa como algo ruim, mas, na realidade, é mais comum e inofensivo do que você pensa. "Cisto" é um termo usado para descrever uma estrutura de tipo saco cheia de fluido que às vezes pode ser um tumor (benigno ou maligno) ou uma neoplasia. Normalmente, cistos ovarianos não causam nenhum desconforto e é por isso que as mulheres nem sabem que os têm. É muito comum que mulheres em idade reprodutiva tenham cistos ovarianos, especialmente quando grávidas(cistos no ovário durante a gravidez). Esses cistos normalmente não requerem atenção médica, indo embora por conta própria. No entanto, se um cisto não desaparece ou começa a crescer, pode se tornar doloroso e causar alguns outros sintomas.

 

Sintomas e sinais de cistos ovarianos

A maioria dos cistos ovarianos se resolvem sem que a pessoa perceba que há algo lá. No entanto, em alguns casos, o sinal mais comum de um cisto ovariano é dor abdominal ou pélvica que pode ter diferentes causas potenciais, como ruptura do cisto, crescimento do cisto, sangramento ou torção do cisto em torno de sua fonte sanguínea.

Quando um cisto cresce e atinge um tamanho maior, pode causar outros sintomas ao lado de dor abdominal ou pélvica, tais como:

  • inchaço e sensação de expansão abdominal;
  • dor nas costas, especialmente na região inferior (dor nas costas de cisto ovariano);
  • indigestão;
  • deficiência urinária – seja uma sensação de urgência para ir ou dificuldade em esvaziar a bexiga;
  • os movimentos intestinais mudam.

Se você sentir alguma dor súbita e intensa na região abdominal ou pélvica, náuseas e vômitos (náusea de cisto ovariano), sensação de desmaio e hiperventilação, é recomendável que você procure assistência médica imediatamente porque há uma alta chance dos cistos causarem torção ovariana.

O corrimento é normal se você tiver cistos ovarianos (corrimento de cisto ovariano)? Resumindo, sim. Os cistos podem causar algum sangramento uterino que misturado com as outras secreções naturais do corpo pode ser eliminado como um corrimento de cor marrom.

Os cistos ovarianos podem fazer você ganhar peso (ganho de peso de cisto ovariano)? Não há um sim ou não definitivo para esta pergunta. Em alguns casos raros, os cistos podem se tornar significativamente grandes, o que, por sua vez, pode tornar o inchaço mais desconfortável, levando a uma falsa impressão de ganho de peso. No entanto, alterações hormonais devido a cistos ovarianos podem realmente interferir com o seu metabolismo de gordura.

O que acontece se um cisto estourar (rompimento de cisto ovariano)? Normalmente, nada, especialmente se o cisto é pequeno. Às vezes, porém, pode causar dor severa e sangramento.

 

Causas e tipos de cisto no ovário

Existem muitas causas para os cistos se formarem sobre ou em seus ovários e fica mais fácil classificar os cistos em funcionais e não funcionais.

Cistos funcionais estão relacionados com a forma normal como os ovários funcionam e são tipicamente inofensivos, indo embora por conta própria. Existem dois tipos de cistos funcionais:

  • cistos foliculares – discutimos anteriormente sobre o momento em que, a cada mês, um óvulo é liberado de um folículo e começa a viajar para o útero; quando o folículo não se rompe liberando o óvulo e ele começa a crescer, é quando um cisto folicular é formado;
  • Cistos de corpo lúteo – se o óvulo for liberado do folículo, o folículo restante é chamado corpo lúteo e é responsável por secretar estrogênio e progesterona por um curto período de tempo ; se de alguma forma o fluido começa a se acumular neste corpo lúteo, ele eventualmente cresce em um cisto.

 

Cistos não funcionais podem ter causas diferentes que geralmente envolvem algum tipo de condição médica:

  • cistos de endometrioma ou cistos "chocolate" – são cistos cheios de sangue que podem ter um aspecto marrom; a causa desses cistos é a endometriose que é uma condição que faz com que as células e tecidos ovarianos cresçam fora do ovário (cisto ovariano da endometriose);
  • síndrome do ovário policístico (PCOS) – esta condição médica refere-se à presença de mais de um cisto nos ovários;
  • cistos dermóides – às vezes, os tecidos dos ovários se transformam em formações anormais que são considerados tumores benignos.

Os cistos ovarianos podem causar infertilidade (você pode engravidar com cistos ovarianos)? Cistos funcionais e dermóides normalmente não afetam a fertilidade da mulher. Endometriomas ou cistos resultantes da PCOS podem afetar a fertilidade, especialmente por causa do desequilíbrio hormonal que causam.

Você pode obter cistos ovarianos após a menopausa (cisto no ovário após a menopausa)? Embora seja mais comum que cistos se formem antes da menopausa, mulheres que passaram pela menopausa ainda podem desenvolver cistos ovarianos, que na maioria dos casos são cistos dermóides. Além disso, mesmo que em idades mais jovens cistos cancerígenos sejam extremamente raros, em idades mais avançadas eles se tornam mais prevalentes.

 

Tamanho de um cisto ovariano

O tamanho de um cisto ovariano pode ser muito diferente dependendo do tipo de cisto e também pode servir como um indicador de se a cirurgia é ou não necessária para a remoção do cisto. Normalmente, a cirurgia não é recomendada no caso de um cisto ser menor do que aproximadamente 50 mm, mas isso também depende do tipo de cisto (se for canceroso, pode ser necessário removê-lo de qualquer maneira). Quando falamos dos cistos funcionais, eles geralmente atingem de 2 a 5 cm, e a ovulação ocorre quando eles têm cerca de 2 a 3 cm (cisto ovariano 3 cm; cisto ovariano 4 cm). Às vezes, porém, esses cistos podem chegar a até 8 a 12 cm de tamanho.

 

Cistos ovarianos vs. síndrome ovariana policística – cisto no ovário PCOS

 

 

Estas são duas condições médicas que estão relacionadas porque compartilham sintomas semelhantes, o que significa que é difícil saber qual é qual ou se você tem alguns cistos ovarianos ou PCOS.

PCOS significa que os ovários têm um número significativamente grande de cistos sobre eles. Esta não é exatamente uma condição prejudicial, mas pode causar um grave desequilíbrio hormonal que pode, por sua vez, levar a problemas mais graves, como menstruações extremamente irregulares, redução da fertilidade, pilosidade excessiva, perda de cabelo ou ganho de peso.

A maneira mais fácil de diferenciar entre cistos ovarianos e PCOS é através do teste de níveis hormonais, já que é a principal consequência do PCOS, mas não está presente no caso de cistos ovarianos.

 

Diagnóstico do cisto ovariano

A suspeita de cistos ovarianos pode ser verificada por um ginecologista-obstetra durante um exame pélvico. Para um diagnóstico a ser feito, o profissional de saúde utilizará ultrassom (ultrassom de cisto ovariano), tomografia computadorizada (tomografia de cisto ovariano)ou ressonância magnética.

 

Tratamento de cisto ovariano

Como tratar um cisto no ovário? Vimos até agora que cistos ovarianos são muito comuns. Na verdade, é seguro dizer que quase todas as mulheres em idade reprodutiva terão cistos funcionais sem saber por causa da ausência de sintomas. No entanto, o tratamento para essa condição depende de sua causa e também da presença de sintomas. Cistos funcionais, se descobertos, geralmente são monitorados com frequência e, caso se rompam, exigirão atenção médica e tratamento. Se os cistos se tornam tumores, benignos ou malignos, o melhor curso de ação é removê-los cirurgicamente.

 

Conclusão

Um cisto no ovário é perigoso? Cistos ovarianos são muito comuns e na maioria das vezes as mulheres nem sabem que os têm. Existem vários tipos de cistos ovarianos, sendo os mais prevalentes, funcionais e inofensivos, às vezes não causando sintomas. No entanto, se os cistos não são funcionais ou até mesmo se transformam em tumores, a cirurgia é o caminho a percorrer para removê-los. Fazer um check-up anual é uma maneira de ficar de olho em sua saúde reprodutiva, que pode ajudar a diagnosticar precocemente qualquer tipo de anormalidade que possa se degenerar em uma condição séria.

Artigos

Outros artigos