Search

Depressão

Data da última atualização: 03-Jun-2022

14 minutos lidos

O que é depressão?

Muitas pessoas que sofrem de depressão não percebem isso imediatamente. Mas os sinais mais comuns de depressão são a perda de interesse e prazer nas atividades cotidianas, falta de energia, dificuldade de concentração, também culpa excessiva e sentimentos de inutilidade. Algumas pessoas também podem sentir insônia ou sono excessivo, perda ou ganho significativo de peso. Outros sinais observáveis são a falta de interesse na aparência e a má higiene. Se não for tratada, um dos principais fatores de risco da depressão é o suicídio.

Embora sentir-se para baixo às vezes seja normal e certos eventos possam nos deixar tristes de tempos em tempos, sentir-se deprimido é constante e interfere na vida cotidiana, afeta as relações sociais e pode afetar nossa vida profissional também.

A depressão é um transtorno mental comum, com mais de 264 milhões de pessoas de todas as idades sofrendo dela, globalmente. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a depressão é uma das principais causas de incapacidade em todo o mundo.

 

Sintomas de depressão em mulheres

Mais mulheres são afetadas pela depressão do que os homens. Mulheres deprimidas experimentam sintomas como: irritabilidade, sensação de vazio ou ansiedade, movimentos ou reações mais lentos, diminuição da energia, fadiga (também conhecida como "névoa cerebral"), alterações de apetite e peso, dores de cabeça, dificuldade para dormir, acordar cedo, incapacidade de tomar decisões ou dificuldade em tomar decisões.  Elas também tendem a se retirar de compromissos ou atividades sociais.

A depressão também causa sintomas físicos, como dores no corpo, dores de cabeça, aumento de cólicas, problemas digestivos e pode piorar artrite, doenças cardiovasculares, asma, diabetes e câncer. Algumas fontes sugerem que a depressão pode causar problemas de pele, como a psoríase. Além disso, às vezes problemas de tireoide podem desencadear depressão.

Sintomas de depressão em homens

Os homens podem sofrer de mais estigma em torno da depressão devido à expectativa social de serem fortes e não mostrarem emoções ou sinais de fraqueza. Homens deprimidos experimentam sintomas como: inquietação, raiva e agressividade, sensação de desespero ou tristeza, não se interessar mais por atividades que costumavam trazer prazer, consumo excessivo de álcool, uso de drogas, desejo sexual diminuído, dificuldade de completar tarefas, atrasos na resposta nas conversas, sonolência excessiva, insônia, fadiga.

Alguns dos sintomas físicos que as mulheres experimentam também podem ser experimentados pelos homens. Verificou-se que eles experimentam mais problemas digestivos e dificuldade no desempenho sexual.

Depressão em Adolescentes e Crianças

A depressão também está presente entre crianças e adolescentes e aqueles que a vivenciam manifestam os mesmos sintomas que os adultos. Sentimentos de incompetência, desespero e tristeza intensa podem ser mais prevalentes entre eles. Além disso, um declínio no desempenho escolar pode indicar que um adolescente está deprimido. Algumas crianças ou adolescentes são considerados preguiçosos e é importante notar os sinais e não descartá-los. Outros sinais são abstinência social e explosões emocionais. Se não tratada, a depressão pode fazer com que a doença piore e persista até a idade adulta. Psicólogos especializados em psicologia infantil podem fazer um diagnóstico adequado e fornecer a ajuda de que precisam.

 

Tipos de depressão

Dependendo da gravidade dos sintomas, a depressão pode ser classificada como transtorno depressivo maior ou transtorno depressivo persistente. Transtorno depressivo maior é o tipo mais grave de depressão e o diagnóstico clínico dele baseia-se na experiência, durante um período de duas semanas, de cinco ou mais dos sintomas que mencionamos anteriormente. Pensamentos recorrentes de morte ou suicídio também podem ser um sintoma preocupante. Transtorno depressivo persistente é uma forma mais branda, mas também crônica de depressão que não deve ser deixada sem tratamento. Para que o diagnóstico clínico seja feito, a pessoa tem que experimentar sintomas por pelo menos dois anos.

A depressão pode estar presente no transtorno bipolar, uma doença mental grave caracterizada por emoções intensas e muitas vezes imprevisíveis. Embora nem todas as pessoas com transtorno bipolar fiquem deprimidas, algumas podem experimentar estados depressivos intensos e/ou longos períodos de depressão. Às vezes, quando uma pessoa com transtorno bipolar experimenta um episódio maníaco, o episódio depressivo pode voltar mais forte. É importante que um diagnóstico adequado seja realizado neste caso, pois o plano de tratamento e a medicação diferem.

O transtorno afetivo sazonal (SAD) é um tipo de depressão que está relacionada à mudança sazonal. Nas pessoas que experimentam esse tipo de depressão, seus sintomas começam no outono e terminam em algum lugar no inverno. Com menos frequência, o transtorno afetivo sazonal pode começar no início da primavera ou verão. Esse transtorno está mais presente em adultos mais jovens do que nos mais velhos e suas causas são vagas. Alguns fatores que contribuem para o transtorno afetivo sazonal incluem os níveis de serotonina, que são mais baixos quando há luz solar reduzida, níveis de melatonina, que desempenham um papel no padrão de sono e humor e ritmo circadiano, que pode] se perturbar quando o nível de luz solar é reduzido em estações mais frias. Viver longe do Equador é outro fator, pois essa desordem parece ser mais comum entre eles. A diminuição da luz solar durante o inverno e os dias mais longos durante o verão são a principal causa, digamos, para este tipo de depressão.

As mulheres podem ter depressão pós-parto. É considerada uma complicação do parto com sinais e sintomas de depressão que podem variar de leve a grave. Pode interferir na capacidade de cuidar do recém-nascido e lidar com outras tarefas diárias. Os sintomas geralmente aparecem após o parto, mas podem começar mais cedo, sendo menos perceptíveis. Depressão pós-parto é mais sobre um desequilíbrio hormonal e uma consequência infeliz de dar à luz do que um problema de moral fraca ou falta de habilidades maternas.  O tratamento rápido pode ajudar a gerenciá-lo e a terapia pode ajudar a criar um vínculo mais forte com o bebê.

As mulheres também podem experimentar desordem disfórica pré-menstrual, uma forma mais grave de síndrome pré-menstrual. Suas causas exatas são desconhecidas, mas é uma reação anormal às alterações hormonais que acontecem durante o ciclo menstrual. As mulheres mais afetadas são aquelas com histórico de síndrome pré-menstrual ou depressão pós-parto. O transtorno pode atrapalhar as responsabilidades de vida diária e problemas de interação no trabalho e nos relacionamentos. Também pode ser diagnosticado erroneamente como hipertireoidismo, transtorno de depressão ou transtorno de ansiedade. É melhor consultar um especialista, pois pode se manifestar como retenção de líquidos, problemas gastrointestinais, problemas de pele, problemas respiratórios, problemas neurológicos e sintomas vasculares.

Depressão com psicose ou características psicóticas é uma forma menos comum de depressão que não deve ser deixada sem tratamento. A depressão com características psicóticas é uma forma severa de depressão que inclui pensamentos ou ideias persistentes que são incongruentes com a realidade, senso agudo de desespero, culpa e inutilidade. A pessoa pode experimentar não apenas ideias delirantes, mas também ver, ouvir, cheirar ou sentir coisas que não são reais. Isso pode acontecer no transtorno depressivo maior, mas não é apenas uma parte deste transtorno. Isso também pode incluir angústia ansiosa, características melancólicas e, menos comumente, sintomas catatônicos.

 

Causas da depressão

 

Não há um fator que possa causá-la, a depressão e outros problemas de saúde mental são complexos e, muitas vezes, resultam de uma interação entre fatores sociais, psicológicos e biológicos. Muitas vezes, eventos adversos da vida podem levar ao desenvolvimento da depressão. Alguns desses eventos incluem desemprego, lesão física, rompimento e outros traumas psicológicos. O estresse e a disfunção podem piorar com o tempo e a depressão em si.

Transtornos como a depressão também foram analisados do ponto de vista médico. Muitas pesquisas foram feitas sobre a biologia da depressão e os genes que podem fazer com que certos indivíduos sejam mais vulneráveis. Então, a depressão pode ser genética? Sim, pode, mas os genes desempenham um papel menor do que o ambiente e outros fatores fazem. A depressão pode ser hereditária, mas ainda há muita pesquisa a ser feita. Além disso, ter um pai ou irmão deprimido pode nos tornar propensos à depressão, mesmo que o material genético seja diferente. Isso pode ser explicado pelos sentimentos de desamparo ou inadequação com a regulação do estado mental dos outros ou por espelhamento de seu comportamento.

Graças à tecnologia, agora sabemos mais sobre depressão do que nos últimos séculos. Pesquisas mostraram que as áreas que desempenham um papel significativo na depressão são o tálamo, hipocampo e amígdala. Isso ajuda os cientistas a entender como as funções são afetadas, incluindo a memória, não apenas a desregulação de humor. O estresse é um fator-chave que suprime a produção de novos neurônios no hipocampo. É aqui que os antidepressivos podem desempenhar um papel importante, aumentando a conexão entre os neurônios no hipocampo.

Alguns dos neurotransmissores que desempenham um papel na depressão são: acetilcolina, melhora a memória e está envolvida na aprendizagem e recordação de informações; serotonina, que ajuda a regular o humor, o sono e o apetite; dopamina, essencial para o movimento e motivação; e norepinefrina, envolvida em recompensa e pode desencadear ansiedade, que geralmente vem com algumas formas de depressão. Há outros neurotransmissores envolvidos em estados depressivos relacionados à brincadeira ou calma.

A doença da tireoide é diagnosticada erroneamente às vezes com outros problemas de saúde mental, mais comumente depressão. No entanto, há uma forte ligação entre hipertireoidismo e ansiedade, depressão e depressão bipolar. Os sintomas do hipertireoidismo são muito semelhantes aos sintomas experimentados na depressão.

Outros fatores importantes que contribuem para a depressão são traços de personalidade e fatores ambientais. Pessoas mais pessimistas ou com baixa autoestima são mais propensas a desenvolver depressão. A exposição à violência, à negligência e à pobreza também pode tornar as pessoas mais vulneráveis à depressão.

 

Teste e Diagnóstico de Depressão

Se você acha que está experimentando sintomas de depressão, você deve ter cuidado ao diagnosticar a si mesmo. Um diagnóstico claro só pode ser feito por um profissional, um psicólogo clínico, e é importante para estabelecer as opções de tratamento. Se você quiser verificar se você pode estar tendo sintomas depressivos, você pode fazer um teste on-line, mas certifique-se de que o teste seja cientificamente aprovado. Existem aplicativos que têm múltiplas escalas para medir problemas psicológicos, como a depressão. No entanto, se você ou um ente querido estiver experimentando sintomas de depressão, a ajuda profissional seria aconselhada. Melhorar pode demorar um pouco, então não desanime.  

Tratamento de Depressão

Como vimos, a depressão e os sintomas depressivos diferem de pessoa para pessoa e assim pode o tratamento. A depressão é curável? Uma resposta para essa pergunta é : A depressão pode ser tratada. É difícil dizer com certeza se uma pessoa se recuperará totalmente de um episódio depressivo ou se nunca mais experimentará depressão. Mas estar ciente dos sintomas e gerenciá-los assim que eles aparecem, pode fazer uma diferença no mundo. Este também é o caso em sintomas de recaída da depressão após experimentar formas de remissão.

Existem tratamentos eficazes para depressão moderada e grave, como terapia cognitiva comportamental, terapia psicodinâmica e psicoterapia experiencial. O apoio da família e amigos também é importante. Tratamentos psicossociais são eficazes para formas leves de depressão, mas os casos mais graves de depressão são conhecidos por serem tratados efetivamente com uma combinação de terapia e medicação. A terapia psicofarmacológica também deve ser considerada se o processo terapêutico não for seguido por qualquer sinal de sucesso na amenização dos sintomas.

Falar através de seus pensamentos e sentimentos com um amigo não é o mesmo que falar com um psicoterapeuta ou entrar em terapia de grupo. A depressão pode ser remitida entrando em uma forma de terapia como: a terapia cognitiva comportamental (TCC), que é uma forma de psicoterapia específica, orientada a objetivos e foca nos desafios, pensamentos e comportamentos atuais e como eles podem ser alterados para serem mais eficazes; a terapia psicodinâmica é projetada para ajudar as pessoas a explorar sua gama de emoções, tornando os elementos inconscientes da psique presentes em suas vidas diárias; o psicodrama é geralmente usado para grupos e baseia-se na reencenação de situações problemáticas, enfrentando bloqueios passados e anteriores.

Alguns casos graves de transtorno depressivo maior são tratados pela eletroconvulsoterapia (ECT), que consiste na administração de correntes elétricas que causam uma convulsão impactando os níveis de neurotransmissores no cérebro após serem sedados com anestesia geral. Os efeitos colaterais incluem perda de memória de curto prazo.

Antidepressivos e outras drogas não devem ser usados para tratar crianças e adolescentes deprimidos, pois têm maior risco de experimentar efeitos colaterais. Existem muitos aplicativos, linhas de ajuda e organizações que podem ajudar pessoas com diferentes sintomas de depressão. Além disso, seu médico deve ser capaz de colocá-lo em contato com um psicólogo licenciado para opções de diagnóstico e tratamento. A ajuda à depressão também pode ser encontrada por jovens adultos através de seu conselheiro universitário e muitas universidades ajudam estudantes que experimentam sintomas preocupantes de depressão que afetam sua produtividade.

Com a maioria das pessoas tendo acesso à internet, as pessoas podem ir online e encontrar facilmente opções de terapia, até mesmo sessões online com profissionais licenciados. Você também pode considerar sessões de terapia familiar ou em grupo. Outras alternativas estão disponíveis e nós iremos referir a algumas delas mais tarde.

 

Medicação contra depressão

 

Os medicamentos para depressão incluem antidepressivos e, em casos mais graves, podem ser associados com antipsicóticos atípicos. Os antidepressivos tornaram-se amplamente utilizados nos últimos vinte anos e podem ser classificados em cinco tipos principais: inibidores seletivos de recaptação de serotonina (SSRIs) e inibidores seletivos de recaptação de serotonina e noradrenalina (SNRIs), são antidepressivos mais comumente prescritos; Antidepressivos tricíclicos (TCAs) também são prescritos para tratar ansiedade, fibromialgia e dor crônica; Os inibidores de monoamina oxidase (MAOIs) são comumente prescritos se os SSRIs não funcionarem; Antidepressivos noradrenérgicos e específico serotoninérgico (NASSAs) são usados para tratar também transtornos de ansiedade e alguns transtornos de personalidade. Antidepressivos como os SSRIs podem ser combinados, como mencionamos anteriormente, com antipsicóticos atípicos em que a substância ativa é olanzapina, quetiapina ou risperidona.

Sintomas de abstinência de medicamentos

Uma em cada três pessoas experimenta sintomas de abstinência de SSRIs e SNRIs após parar o tratamento, com duração de duas semanas a dois meses, incluindo ansiedade, sonhos vívidos, dor abdominal, sintomas semelhantes à gripe, tonturas, sensações de choque elétrico no corpo e pesadelos. Os sintomas de abstinência de SSRIs são menos estudados no mundo científico do que medicamentos psiquiátricos prescritos, como benzodiazepínicos. Outra questão em relação aos sintomas de abstinência é que a Food and Drug Administration nos EUA (FDA) não exige que as empresas farmacêuticas realizem estudos de retirada que examinem o impacto da droga depois que é hora de descontinuá-la. Seu médico deve estar disponível e aberto para responder suas perguntas e estar ciente de que deve ser fornecido um esquema de tratamento que você vai discutir com o seu médico, à medida que os sintomas começam a desaparecer. Além disso, um inconveniente em tomar medicamentos antidepressivos como tratamento para a depressão é que nas primeiras semanas você pode sentir piora dos sintomas da depressão. Alguns casos graves de sintomas de abstinência menos comuns alarmaram as empresas farmacêuticas nos últimos anos. No entanto, a medicação funciona para a maioria das pessoas no tratamento da depressão, mas você pode querer considerar outras estratégias primeiro.

Tratamentos alternativos para a depressão

Havia muitas evidências mostrando que o exercício pode ajudar a depressão. Algumas pessoas preferem malhar em casa, enquanto outras podem se exercitar apenas em grupos. O aspecto social de encontrar ou ser encaminhado para uma aula de exercícios em grupo também pode desempenhar um fator na superação da depressão. Começar devagar e sem colocar muita pressão em si mesmo deve funcionar melhor. Mesmo caminhando todos os dias pode ajudar. Você pode lentamente começar a mirar mais alto, talvez tentar trinta minutos de atividade física quatro vezes por semana. Isso aumentará a produção de endorfinas, hormônios envolvidos na regulação do humor. Dormir muito e comer uma dieta saudável também são fatores que não devem ser negligenciados quando se trata de sua saúde mental. A exposição à luz branca demonstrou regular e melhorar o humor.

Outras atividades que têm demonstrado melhorar o humor são as atividades relacionadas à arte. A arteterapia também é uma forma de terapia que pode ser usada por crianças ou adultos e usa o processo criativo, colaborações em grupo e talento artístico para expressar, explorar e abordar conflitos não resolvidos que podem ter levado você a experimentar sintomas de depressão. As atividades mais comuns na arteterapia são colorir e pintar para expressar emoção.

Falar através de seus sentimentos pode ser útil e você pode começar fazendo isso com um amigo ou um parente. Algumas pessoas que sofrem de depressão não se sentem confortáveis em fazer isso porque podem sentir que sobrecarregam a outra pessoa ou se sentem envergonhadas. Na maioria das vezes isso não é verdade, um amigo de verdade ouviria e tentaria ser solidário. Evite pessoas altamente negativas e tente participar de atividades agradáveis. Tente evitar drogas e álcool porque eles lhe dão uma sensação de alívio apenas por um curto período de tempo e o uso indevido de substâncias piora os sintomas depressivos com o tempo.

Existem certos suplementos que podem ajudar com a depressão, como vitamina D ou B ou ácidos graxos ômega-3. Alguns suplementos de ervas, óleos essenciais e tratamentos naturais não são aprovados pela FDA e como tudo o mais que você quer colocar em seu corpo, você deve tentar com cuidado e informar-se primeiro.

Massagem, sauna, acupuntura, meditação ou yoga são outros tipos de atividades que aumentam significativamente o humor e são boas para a saúde geral. Diferentes aplicativos de meditação estão disponíveis para smartphones. Viajar também é uma atividade importante quando se trata de bem-estar.

 

Conclusão

A depressão é real e não deve ser negligenciada, especialmente pela família e amigos. Se você quer cuidar de alguém que luta com essa condição, faça-o de forma suave e não o sufoque. Encontre lugares onde eles possam obter ajuda ou peça-lhes para fazer atividades prazerosas juntos. Se você acha que sofre de depressão, encontre a ajuda profissional que você precisa quando r outra coisa não está funcionando. Como mostrado acima, há muitas opções. Seja paciente.

Artigos

Outros artigos