Search

Refluxo Ácido

Data da última atualização: 13-Aug-2022

13 minutos lidos

O refluxo ácido, mais comumente descrito como azia, se apresenta como uma sensação de queimação no peito causada pelo ácido estomacal que sobe em direção à garganta, através do esôfago. Se isso continuar acontecendo e se tornar crônico, é chamado de doença do refluxo gastroesofágico (GERD). Os pesquisadores estimam que cerca de 20% das pessoas nos Estados Unidos têm GERD.

 

  • Sintomas de refluxo ácido
  • Os principais sintomas de azia incluem:
  • Uma sensação de queimação no meio do peito;
  • Um gosto desagradável na boca, causado pelo ácido do estômago;
  • Soluços;
  • Uma voz rouca;
  • Mau hálito;
  • Náusea e vômito;
  • Erosão dentária;
  • Dificuldade ou dor ao engolir;
  • Chiado;
  • Tosse seca e persistente;
  • Inchaço e sensação de enjôo.

Esses sintomas podem piorar depois de comer, quando você está deitado ou curvado.

 

 

Refluxo ácido em bebês e crianças

A regurgitação e o cuspe são normais em bebês menores de 1 ano de idade, portanto, GER (refluxo gastroesofágico) e regurgitação são comuns em bebês. Cerca de 70 a 85 por cento dos bebês têm regurgitação diária por volta dos 2 meses de idade e a maioria não terá mais nenhum sintoma de GER  por volta dos 12 a 14 meses de idade. Embora qualquer criança possa ter GERD, ela é mais comum em bebês prematuros ou com certas doenças que afetam o sistema nervoso, os pulmões ou o esôfago. Se você suspeita que seu filho tem GERD, converse com um pediatra.

Geralmente, os especialistas analisam o refluxo gastroesofágico (GER) e a doença do refluxo gastroesofágico (GERD) observando os efeitos colaterais e a história clínica de um jovem. Na chance de que as indicações proponham GERD, os especialistas podem sugerir tratamento com mudanças no estilo de vida ou medicamentos, em vez de fazer testes. Os especialistas podem sugerir ensaios clínicos se houver indicações de que a criança pode ter outro problema médico que não a GERD ou uma complicação da GERD. Os especialistas também podem sugerir testes se os sintomas não melhorarem após mudanças no estilo de vida e medicamentos. A criança pode ser encaminhada a um gastroenterologista para diagnosticar e tratar a GERD.

Os testes que ajudam a diagnosticar a GERD em crianças são muito semelhantes aos usados ​​para adultos e envolvem principalmente:

  • Endoscopia gastrointestinal superior;
  • Monitoramento do pH esofágico;
  • Série GI superior.

Os especialistas podem prescrever um procedimento médico para tratar a GERD em crianças se as drogas e as mudanças no estilo de vida não melhorarem ainda mais os sintomas ou se ocorrerem complicações genuínas da GERD. As crianças apresentam um risco maior de complicações devido à cirurgia do que os adultos.

A fundoplicatura é o procedimento médico mais amplamente reconhecido para GERD. Geralmente, induz uma melhora a longo prazo dos sintomas da GERD. Os especialistas realizam regularmente fundoplicatura como cirurgia laparoscópica, que é realizada fazendo pequenos cortes no abdômen e inserindo instrumentos cirúrgicos para realizar a operação. A fundoplicatura laparoscópica deixa algumas pequenas cicatrizes onde os instrumentos foram inseridos no abdômen. Durante a técnica, os especialistas costuram o ponto mais alto do estômago, também conhecido como fundo, em torno da extremidade do esôfago, o que aumenta a pressão no esfíncter esofágico inferior e diminui o refluxo.

 

 

Refluxo ácido na gravidez

Só nos Estados Unidos, 30 a 50 por cento das mulheres experimentam azia durante a gravidez, mesmo que não tenham histórico de refluxo ácido. Mudanças no estilo de vida são recomendadas durante a gravidez, como não comer muito tarde da noite e consumir pequenas refeições. Se você estiver grávida e apresentar refluxo ácido, converse com seu médico sobre as opções de tratamento. Considere beber bastante água, pois dilui o ácido do estômago, aliviando assim os seus sintomas, evite lanches excessivos, pois dá ao seu estômago a chance de digerir, aumentando assim o risco de ter sintomas de azia. Proteger-se à noite também é importante, pois as posições para dormir podem afetar a gravidade dos sintomas de azia; tente dormir com a cabeça ligeiramente levantada, pois só a gravidade pode resolver a azia noturna. Se você estiver grávida, pare de fumar e beber para a saúde de seu bebê e para a sua, pois os cigarros e o álcool a colocam em risco de refluxo ácido. Para obter suporte para parar de fumar, pergunte ao seu médico ou parteira. Embora muitas mulheres tenham sintomas de azia, é importante observar que você não precisa sofrer sozinha, sempre peça conselhos e possíveis tratamentos com seu médico.

 

O que causa o refluxo ácido?

O refluxo ácido é bastante comum e nem sempre é um sinal de uma condição subjacente. Em bebês com menos de 6 meses, é bastante comum e geralmente não é motivo para preocupação.

A azia é o ponto em que uma parte do ácido gástrico sobe para a garganta, para o esôfago, que é o órgão que despeja o alimento pela boca. Apesar do nome em inglês, “heartburn” não tem nada a ver com o coração.

O estômago contém ácido clorídrico, um ácido que auxilia na decomposição dos alimentos e protege contra microorganismos como patógenos. O revestimento do estômago é comumente ajustado para protegê-lo do poderoso ácido, mas o esôfago não.

Um anel de músculo, o esfíncter gastroesofágico, atua regularmente como uma válvula que dá acesso aos alimentos para o estômago, mas não para a garganta. No ponto em que essa válvula se torna deficiente e a substância do estômago é regurgitada na garganta, os sintomas de refluxo ácido são sentidos como azia.

 

O refluxo ácido pode ser um sintoma de:

  • Hérnia de hiato, uma condição em que a parte superior do estômago sobe para o tórax por meio de uma abertura no diafragma. Isso diminui a pressão na estenose esofágica e aumenta o risco de GERD. Alguns dos sintomas mais comuns de hérnia hiatal são:
  1. Dor no peito;
  2. Estufamento;
  3. Arrotos;
  4. Dificuldade de engolir;
  5. Gosto ruim na boca;
  6. Enjôo, náusea;
  7. Regurgitação de líquido do estômago para a boca;
  8. Dificuldade em respirar.

Caso você tenha algum dos seguintes sintomas, o atendimento médico é urgente:

  1. Dor severa no peito ou abdômen;
  2. Estômago embrulhado;
  3. Vômito;
  4. Não pode fazer cocô ou liberar gás. Isso pode ser um sinal de uma hérnia estrangulada ou uma obstrução, ambas consideradas emergências médicas.

 

O que piora o refluxo gástrico e os alimentos que devem ser evitados

Às vezes, o refluxo ácido é causado ou piorado por:

  • Certos alimentos e bebidas, como café, tomate ou qualquer outro alimento cítrico ou ácido, chocolate, cebola, hortelã, bebidas carbonatadas, álcool, hortelã, alimentos gordurosos ou muito picantes;
  • Estar acima do peso;
  • Fumar;
  • Ficar em pé depois de comer ou se mover muito rápido;
  • Estresse e ansiedade;
  • Gravidez;
  • Certos medicamentos, como analgésicos anti-inflamatórios como o ibuprofeno;
  • Uma hérnia de hiato, quando uma parte do seu estômago se move para o peito.

 

Alimentos que aliviam o refluxo ácido

  • Alimentos ricos em fibras. Alimentos ricos em fibras fazem com que você se sinta menos propenso a comer demais, o que pode contribuir para a azia. Os alimentos ricos em fibras são grãos inteiros (aveia, cuscuz, arroz integral), raízes vegetais, como cenoura, beterraba, batata doce e vegetais verdes, como aspargos, brócolis e feijão verde;
  • Alimentos alcalinos. Alimentos alcalinos ajudam a compensar o ácido forte do estômago. alimentos com pH baixo têm maior probabilidade de causar refluxo ácido. Alimentos alcalinos incluem bananas, melões, nozes, erva-doce, couve-flor.
  • Alimentos aquosos. Comer alimentos aquosos pode ajudar a diluir o ácido do estômago, reduzindo assim o risco de azia. Alguns exemplos de alimentos que contêm muita água incluem aipo, pepino, melancia, chá de ervas, sopas à base de caldo e alface.
  • As proteínas magras. Ovos e carne magra são ricos em proteínas. Refeições ricas em gordura tendem a reduzir a pressão do esfíncter esofágico inferior e retardar o esvaziamento do estômago, o que aumenta o risco de refluxo. Escolha carnes magras grelhadas, escalfadas, assadas ou fervidas.
  • Gorduras mais saudáveis. Geralmente você deve evitar ou reduzir as gorduras saturadas (encontradas em carnes e laticínios) e gorduras trans (encontradas em alimentos processados ​​como margarinas e gorduras). Tente substituí-los por gorduras insaturadas de peixes ou plantas como gorduras monoinsaturadas (encontradas em azeite de oliva, óleo de gergelim, óleo de girassol, abacate, amendoim, manteiga de amendoim, sementes e muitas nozes) e gorduras poliinsaturadas (encontradas em óleos como cártamo, soja, milho, linhaça e nozes, soja, tofu, peixes gordurosos como salmão e truta)

 

Remédios caseiros para refluxo ácido

Alguns dos remédios caseiros para refluxo ácido incluem:

  • Comer refeições menores, mas mais frequentes;
  • Levantar a cabeça e o tórax acima do nível da cintura ao dormir ou deitar para que o ácido estomacal não chegue até a garganta;
  • Perder peso se a causa do refluxo ácido for excesso de peso;
  • Tentar encontrar maneiras de relaxar;
  • Evitar alimentos e bebidas que desencadeiam seus sintomas;
  • Parar de fumar, pois a nicotina pode relaxar o esfíncter esofágico inferior;
  • Não beber muito álcool;
  • Não usar roupas muito justas na cintura;
  • Não comer 3 a 4 horas antes de ir para a cama;
  • Evitar café;
  • A goma de mascar (não a de hortelã ou hortelã-pimenta) pode relaxar o esfíncter esofágico inferior, aumentar a produção de saliva e reduzir a quantidade de ácido encontrada no esôfago.

Algumas pessoas acham que beber leite alivia os sintomas de azia, mas é importante observar que o leite vem em diferentes variedades. O leite gordo pode agravar o refluxo ácido, enquanto o leite desnatado pode atuar como um tampão temporário entre o revestimento do estômago e o conteúdo ácido do estômago e pode proporcionar alívio imediato dos sintomas.

 

Diagnóstico de GER and GERD

Seu médico pode providenciar pelo menos um dos testes de acompanhamento para auxiliar no diagnóstico de GERD e verificar se há moléstias ligadas à GERD ou outras condições médicas, se:

  • Seus sintomas sugerem que você pode ter uma complicação da GERD;
  • Seus sintomas sugerem outros problemas de saúde semelhantes aos sintomas da GERD;
  • Seus sintomas não melhoram após o tratamento e mudanças no estilo de vida.

Algumas formas de diagnosticar o GERD incluem:

  • A manometria esofágica é um teste que mede as contrações musculares no esôfago durante a deglutição e pode medir a estenose do esôfago.
  • Endoscopia digestiva alta. A endoscopia digestiva alta é um método em que um especialista utiliza um tubo flexível acoplado a uma pequena câmera para visualizar o trato digestivo superior, incluindo garganta, estômago e duodeno. Durante a endoscopia digestiva alta, um especialista pode fazer biópsias passando um instrumento pelo endoscópio para retirar pequenos pedaços de tecido do revestimento da garganta. Um patologista examinará o tecido ao microscópio. Os especialistas podem providenciar uma endoscopia digestiva alta para verificar se há complicações da GERD ou outros problemas além da GERD que podem estar causando seus sintomas.

  • Monitoramento do pH esofágico. A observação do pH esofágico é a abordagem mais exata para identificar ácidos corrosivos estomacais na garganta. Dois tipos de observação do pH esofágico são:
  1. Monitoramento por cateter, no qual um médico passa uma extremidade de um cateter - um cilindro fino e adaptável - pelo nariz e pela garganta para quantificar o refluxo ácido e não ácido;
  2. Monitoramento de cápsula, em que o médico usa um endoscópio para colocar uma pequena cápsula remota no revestimento do esôfago para medir o refluxo ácido;

Durante a observação do pH esofágico, você usará um aparelho portátil que obtém dados do cateter ou cápsula e rastreia dados sobre sua rotina alimentar, sono e sintomas. Seu médico utilizará esses dados para perceber como sua rotina alimentar, sono e sintomas estão relacionados à azia na garganta. Os especialistas podem organizar este teste para confirmar o diagnóstico de GERD ou para ver se os medicamentos para GERD estão funcionando.

 

  • Raios-X de bário. Este teste envolve uma imagem do esôfago, estômago e duodeno superior após engolir um líquido semelhante a giz que ajuda a melhorar o contraste nas imagens.

 

 

Tratamento de refluxo ácido com um clínico geral

Pode ser prescrito um inibidor da bomba de prótons (PPI) que reduz a quantidade de ácido que seu estômago produz, como omeprazol e lansoprazol. Normalmente, você precisará tomar este medicamento por 4 a 8 semanas, dependendo da gravidade do seu refluxo ácido.

Fale sempre com o seu médico se os sintomas voltarem, mesmo depois de parar o medicamento, pois pode necessitar de uma receita médica de longo prazo.

Você pode comprar vários medicamentos para GERD sem receita. No entanto, no caso de você ter manifestações que não vão desaparecer com os medicamentos de venda livre, você deve conversar com seu clínico geral. Seu médico pode recomendar pelo menos um desses medicamentos para tratar a GERD.

  • Antiácidos. Os especialistas podem recomendar neutralizadores de ácido para diminuir a indigestão leve e outras manifestações moderadas de GER e GERD. Os agentes antiácidos estão disponíveis sem prescrição. Os neutralizadores de ácido podem ajudar a aliviar sintomas leves. Seja como for, você não deve utilizar esses medicamentos de forma consistente ou para sintomas graves, exceto após uma discussão completa com seu clínico geral. Esses medicamentos podem ter efeitos colaterais, como diarreia e prisão de ventre.
  • Supressores de ácido sucralfato.
  • Bloqueadores de ácido competitivos com potássio.
  • Antagonistas do receptor GABA (B).
  • Inibidores seletivos da recaptação da serotonina (SSRIs).
  • Teofilina, um inibidor da recaptação da serotonina-norepinefrina.
  • Procinéticos. Eles ajudam a esvaziar o estômago mais rápido. Os efeitos colaterais desses medicamentos incluem diarréia, ansiedade, náuseas.
  • Eritromicina. Este é um tipo de antibiótico que também ajuda a esvaziar o estômago mais rapidamente.
  • Bloqueadores H2. Os bloqueadores de H2 diminuem a quantidade de ácido que seu estômago produz. Os bloqueadores H2 podem ajudar na recuperação da garganta, mas não da mesma forma como os inibidores da bomba de prótons (IBP). Você pode comprar bloqueadores H2 sem receita ou seu médico pode recomendar um.
  • Inibidores da bomba de prótons (PPIs). Os PPIs reduzem a quantidade de corrosivo que seu estômago produz. Os PPIs são melhores no tratamento dos efeitos colaterais da GERD do que os bloqueadores H2 e podem recuperar o revestimento do esôfago na grande maioria das pessoas com GERD. Você pode comprar PPIs sem receita ou seu clínico geral pode recomendar um. Os especialistas podem recomendar PPIs para o tratamento de longo prazo da GERD.

Os PPIs são em sua maioria seguros e atraentes. Os efeitos colaterais são notáveis ​​e podem incluir enxaquecas, diarréia e dor de estômago. A bula também avisa que tomar PPI pode aumentar o risco de infecção por Clostridioides difficile (C. diff). Os especialistas ainda estão considerando os impactos de se tomar PPIs por um tempo ou em altas dosagens. Converse com seu clínico geral sobre os perigos e vantagens de tomar PPIs.

Se o PPI não aliviar seus sintomas, seu médico pode encaminhá-lo a um especialista para:

  • Testes para descobrir o motivo de seus sintomas, que podem incluir uma gastroscopia;
  • Operação no estômago que interrompe o refluxo ácido, chamada de fundoplicatura laparoscópica.

As opções cirúrgicas geralmente são o último recurso para a GERD e são recomendadas por um gastroenterologista. Os tratamentos cirúrgicos incluem:

  • Fundoplicatura. A fundoplicatura é uma cirurgia na qual o cirurgião costura a parte superior do estômago ao redor do esôfago para adicionar pressão à extremidade inferior do esôfago, reduzindo assim o refluxo.
  • Procedimentos endoscópicos. Esta é uma série de procedimentos envolvendo uma costura endoscópica, que usa pontos para tensionar o músculo esfíncter do esôfago e radiofrequência que usa calor para produzir pequenas queimaduras que tensionam o esfíncter.

 

Complicações do GERD

Sem tratamento, a GERD às vezes pode levar a complicações graves, como esofagite, estenose esofágica e esôfago de Barrett, mas também complicações fora do esôfago.

  • A esofagite é uma inflamação do esôfago que pode causar úlceras e sangramento no revestimento do esôfago. A esofagite crônica aumenta suas chances de desenvolver estenose esofágica e esôfago de Barrett.
  • A estenose esofágica ocorre quando um estreitamento se desenvolve no esôfago e pode levar a dificuldades para engolir.
  • O esôfago de Barrett é uma condição na qual o tecido semelhante ao revestimento do intestino substitui o tecido que reveste o esôfago. Um pequeno número de pessoas com diagnóstico de esôfago de Barrett desenvolve um certo tipo de câncer chamado adenocarcinoma esofágico.

Complicações fora do esôfago envolvem:

  • Asma;
  • Tosse crônica;
  • Rouquidão;
  • Laringite;
  • Desgaste do esmalte dentário devido ao ácido gástrico.

 

Esofagite

Esta é uma complicação mais comumente causada pela GERD que afeta 2 a 5 por cento das pessoas com 55 anos ou mais, com um prognóstico normalmente bom. Dependendo da causa da esofagite, existem vários tratamentos possíveis disponíveis. Os sintomas comuns de esofagite incluem:

  • Dor abdominal;
  • Dor e dificuldade em engolir;
  • A comida fica presa no esôfago;
  • Perda de apetite;
  • Náusea e até vômito;
  • Tosse;
  • Dor no peito ao comer;
  • Dificuldade em ganhar peso adequado;
  • Úlceras ou feridas na boca.

 

Medidas preventivas

Algumas medidas preventivas incluem mudanças de comportamento e estilo de vida, como:

  • Comer quantidades moderadas de alimentos para não comer demais;
  • Não comer por pelo menos 2 horas antes de dormir;
  • Parar ou evitar fumar;
  • Melhorar a postura;
  • Usar roupas largas;
  • Dormir em um leve ângulo para que sua cabeça fique ligeiramente elevada.

 

Quando procurar um médico

Você deve considerar ir fazer uma consulta se:

  • Mudanças no estilo de vida e remédios não estão ajudando;
  • As azias tornam-se frequentes durante 3 semanas ou mais;
  • Você tem outros sintomas, como ficar doente com frequência, perder peso involuntariamente ou comida ficar presa na garganta.

Sempre verifique com seu médico ou clínico geral se você suspeitar que pode precisar de assistência médica.


Artigos

Outros artigos