cancro cervical

Última data de atualização: 12-Oct-2022

Originalmente Escrito em Inglês

Cancro cervical

O câncer cervical refere-se a um tipo de câncer que começa nas células do colo do útero e afeta toda a área do colo do útero. O colo uterino é a parte estreita da região inferior do útero que une a vagina. Às vezes pode ser chamado de pescoço do útero. 

Geralmente, toda mulher é suscetível a desenvolver ou sofrer de câncer cervical. Inicialmente, essa foi uma das principais causas de morte entre as mulheres. Graças à invenção dos testes de triagem, tudo mudou. Com exames de triagem regulares, a condição pode ser diagnosticada ainda em estágio inicial. Isso facilita o tratamento e aumenta as chances de recuperação bem-sucedida e permanente.

Tipos de Cânceres cervicais

Normalmente, os médicos determinam o prognóstico, bem como o tratamento com base no tipo de câncer cervical. Basicamente, existem dois tipos principais de câncer cervical, incluindo;

  • Carcinoma de células escamosas: Geralmente, a maioria das malignidades do colo do útero são carcinomas espimossas celulares. Esta categoria de câncer cervical geralmente começa em células planas ou escísmo. Essas células alinham a região externa do colo uterino que se estende em direção à vagina.
  • Adenocarcinoma. Este é relativamente um tipo menos comum de câncer cervical. Começa nas células glandulares em forma de coluna que revestem a parte superior do canal do colo do útero. 

Em outros casos, os dois tipos de células (adenocarcinoma e células escamosas) estão associados ao câncer cervical. No entanto, é pouco frequente que o câncer se desenvolva nas outras células dentro do colo do útero.

Causas do Câncer cervical

O câncer cervical geralmente ocorre quando as células saudáveis normais dentro do colo do útero adquirem mutação ou alterações no DNA. O DNA da célula geralmente consiste em instruções que informam a célula o que fazer e como funcionar.

Normalmente, as células saudáveis do corpo se desenvolvem e se dividem a uma taxa definida e finalmente morrem da mesma maneira. No entanto, a mutação informa as células a crescerem e se multiplicarem incontrolavelmente. Mesmo que outras células normais morram, essas células continuarão sobrevivendo e se reproduzindo.

À medida que o número de células anormais aumenta, elas formam um tumor ou uma massa. Com o tempo, as células cancerígenas invadem os tecidos circundantes. Essas células também podem se separar do tumor e metástase ou se espalhar para órgãos distantes do corpo.

Além disso, outros fatores de risco que podem contribuir para os riscos do câncer do colo do útero incluem o seguinte;

Papilomavírus humano (HPV): Cepas de HPV, que é uma doença sexualmente transmissível, às vezes são responsáveis pela ocorrência de câncer cervical. Embora existam mais de cem tipos de HPV que podem ocorrer, aproximadamente 10 a 13 podem resultar em câncer de colo do útero. 

Muitos parceiros sexuais: A transmissão ou disseminação de tipos causadores de câncer de HPV ocorre principalmente devido ao contato sexual com uma pessoa infectada. Portanto, há maiores chances de desenvolver HPV que pode causar câncer cervical se você tiver vários parceiros sexuais.

Imunidade enfraquecida: Indivíduos com HIV e AIDs têm maior risco de desenvolver câncer cervical devido a um sistema imunológico enfraquecido. Além disso, as pessoas que fizeram um transplante e atualmente tomam drogas imunossupressores estão em maior risco. 

Tabagismo: O uso frequente e prolongado de cigarros aumenta o risco de câncer cervical, particularmente o tipo de células escasas.

Pílulas anticoncepcionais: O uso prolongado de certas pílulas anticoncepcionais às vezes pode contribuir para o desenvolvimento do câncer do colo do útero.

Infecções sexualmente transmissíveis (IST): Pessoas com ISTs, incluindo gonorreia, clamídia e sífilis, têm um risco aumentado de adquirir câncer cervical.

Sinais e Sintomas do Câncer cervical

Durante o estágio inicial, a maioria das mulheres não apresenta sintomas de câncer cervical. Como tal, o câncer cervical pode passar despercebido por vários meses ou anos. Exames papanicolau regulares ou exames de difamação cervical são formas importantes e eficazes de prevenir o câncer. 

Embora não diagnostice câncer, mostra as mudanças celulares que podem significar o crescimento potencial do câncer. Com isso, pode-se tomar as ações necessárias para tratar e evitar que ela avance.

À medida que o câncer do colo do útero avança gradualmente, é provável que se experimente sinais e sintomas como;

  • Sangramento vaginal após a relação sexual
  • Sangramento entre os períodos
  • Desconforto e às vezes dor durante a relação sexual
  • Sangramento após a menopausa
  • A descarga vaginal associada a um odor desagradável ou manchas de sangue
  • Dor pélvica

Diagnóstico de Câncer cervical

O diagnóstico de câncer do colo do útero envolve algumas etapas e procedimentos como;

  • Exames de rastreamento de câncer

Os exames e procedimentos de rastreamento visam detectar câncer e células pré-cancerosas que possam avançar para o câncer cervical. A maioria dos prestadores de cuidados de saúde recomenda iniciar o processo de triagem para malignidade e condições pré-cancerosas aos 20 ou 21 anos.

Exemplos dos testes de triagem são;

Teste pap: Isso envolve escovar e raspar a célula dentro do colo do útero para examinar ainda mais anomalias no laboratório. O teste pap é capaz de detectar qualquer anormalidade no colo do útero. Isso inclui as células cancerígenas e as mudanças que podem contribuir para o desenvolvimento do câncer cervical. 

Teste de HPV de alto risco: Isso envolve a coleta das células cervicais para testes contra infecções dos tipos de HPV que podem causar câncer cervical.

  • Testes diagnósticos

Se os ginecologistas suspeitarem de câncer durante os exames de rastreamento, recomendarão exames e procedimentos diagnósticos adicionais. Isso geralmente começa com um exame do colo do útero usando um colposcópio. Esta é uma ferramenta de ampliação especialmente projetada que permite ao provedor médico verificar e avaliar as células anormais do colo do útero.

Ao realizar os testes de colposcopia, o médico pode obter uma pequena amostra das células do colo do útero para mais testes laboratoriais. Este procedimento é conhecido como biópsia e compreende biópsia de ponche e curetagem endocervical.

A biópsia do soco envolve o uso de equipamentos afiados para cortar uma amostra de tecido do colo do útero. Por outro lado, a curetagem endocervical usa uma curette ou uma pequena escova para raspar uma amostra de tecido.

  • Testes de estágio de câncer

Caso o ginecologista ou médico diagnostice câncer cervical, eles podem realizar mais exames para identificar o estágio ou extensão. Este é o fator-chave para determinar o tratamento e desenvolver um plano eficaz.

Exemplos de exames ou exames de estágio de câncer do colo do útero são;

Exames de imagem: Esses tipos de exames permitem ao médico identificar se as células cancerígenas ou tumorais se espalharam para outras partes. Alguns dos testes de imagem comumente usados incluem raio-x, ressonância magnética, tomografia computadorizada e tomografia computadorizada.

Examinando visualmente o reto e a bexiga: Isso envolve o uso de um escopo especial para visualizar o interior do reto e da bexiga.

Tratamento do Câncer do Colo do Útero

O tratamento do câncer do colo do útero geralmente depende de vários fatores, incluindo o tipo de câncer cervical, estágio e saúde geral. Pode, portanto, incluir uma ou uma combinação das seguintes opções de tratamento; 

Cirurgia:

Um procedimento cirúrgico é geralmente recomendado para tratar o câncer cervical enquanto estiver em estágio inicial. O tipo de cirurgia para realizar depende do tamanho do tumor, do estágio, e se você deseja engravidar e ter filhos no futuro.

As opções de tratamento cirúrgico podem incluir;

  • Um procedimento para cortar câncer ou tumor apenas enquanto deixa as outras partes do colo do útero intactas
  • Uma abordagem para tirar o colo uterino e alguns dos tecidos vizinhos
  • Uma operação para remover o colo do útero e o útero

Quimioterapia:

A quimioterapia é a opção de tratamento mais comum para lidar com o câncer do colo do útero. Ele usa uma droga poderosa para destruir as células cancerosas no colo do útero. Dependendo da preferência do médico, você pode receber medicação quimioterápica na forma de uma pílula ou por via intravenosa através da veia. Às vezes, ambos os métodos podem ser aplicados.

Os médicos podem combinar baixas doses de quimioterapia com radioterapia para enfrentar câncer menos progressivo. Isso porque a quimioterapia ajuda a melhorar os efeitos da radiação. Alternativamente, eles podem recomendar o uso de altas doses para controlar e gerenciar sintomas associados ao câncer avançado.

Radioterapia:

Este modo de tratamento usa feixes de alta energia, incluindo prótons ou raios-x, para destruir as células malignas. Na maioria dos casos, o médico combina radioterapia e quimioterapia como o principal tratamento para o câncer em estágio inicial. Além disso, eles podem administrar este tratamento após a cirurgia para matar as células cancerígenas restantes e prevenir uma recidiva.

As formas comuns de administrar a radioterapia incluem;

  • Internamente, inserindo uma ferramenta cheia de conteúdo radioativo na vagina
  • Externamente, mirando os feixes de radiação na área do colo do útero
  • Técnicas internas e externas

É essencial notar que a radioterapia pode causar menopausa em mulheres que não chegaram ao estágio. Além disso, se você deseja engravidar após o tratamento, você pode considerar métodos de preservação de óvulos antes do início do tratamento.

Terapia direcionada:

Essa abordagem de tratamento se concentra em certas proteínas e genes que contribuem para o desenvolvimento e sobrevivência de células cancerosas. Com isso, bloqueia o crescimento dos vasos sanguíneos que facilitam o avanço do câncer, causando a morte das células existentes.

Os médicos geralmente combinam terapia direcionada com quimioterapia. É também uma opção de tratamento eficaz para câncer avançado.

Imunoterapia:

A imunoterapia refere-se a um tratamento medicamentoso que aumenta o mecanismo de defesa do corpo para combater o câncer. O sistema imunológico não pode atacar as células já que o tumor libera proteínas, o que lhes permite passar despercebido pelas células de imunidade. Portanto, a imunoterapia altera esse processo para permitir que o sistema imunológico combata o câncer.

Conclusão

O câncer cervical é uma condição de saúde crônica, porém tratável e controlável. Geralmente ocorre quando as células do corpo se desenvolvem e se multiplicam fora de controle. Com o tempo, essas células podem se espalhar além do colo do útero. O rastreamento do câncer é, portanto, uma maneira essencial de diagnosticar o câncer de colo do útero e impedi-lo de avançar.

O CloudHospital se dedica a ajudar todas as mulheres com câncer cervical, incluindo aquelas em risco de desenvolver a doença. Trabalha com diversos ginecologistas e especialistas de renomados estabelecimentos de saúde para diagnosticar, tratar, gerenciar e prevenir o câncer do colo do útero.