Imunização de adultos

Data da última atualização: 08-Nov-2023

Originalmente Escrito em Inglês

Imunização de adultos

A vacinação é sugerida ao longo da vida para proteger contra doenças evitáveis por vacinas e complicações associadas. Historicamente, o foco principal dos programas de vacinação tem sido a vacinação de crianças. O foco principal dos cuidados de saúde preventivos e médicos têm sido as doenças crônicas, enquanto houve uma maior ênfase na prevenção de infecções infecciosas.

A cobertura vacinal de adultos, por outro lado, permanece baixa para a maioria das vacinas comumente prescritas. Embora os adultos sejam menos vulneráveis a agentes infecciosos clássicos, a probabilidade de exposição a agentes infecciosos têm crescido drasticamente como resultado da globalização e de maiores opções de viagem dentro e fora das nações. Como resultado, há uma necessidade premente de abordar a questão da vacinação de adultos.

O negócio de imunização de adultos é mais complicado, com uma grande variedade de vacinas e uma população-alvo diversificada. Assim como as crianças, não há infraestrutura integrada de saúde pública para apoiar um programa de vacinação de adultos. Além disso, há uma coordenação mínima entre os profissionais de saúde adultos quando se trata de distribuição de vacinas. 

A imunização de adultos deve ser significativamente melhorada para diminuir as implicações para a saúde das infecções evitáveis por vacinas em adultos. A avaliação de rotina das necessidades de vacinação de pacientes adultos, bem como a recomendação e o fornecimento de vacinas essenciais para adultos, devem ser incluídas no atendimento clínico normal para adultos.

 

Carga de Doenças Preveníveis de Vacinas

Carga de Doenças Preveníveis de Vacinas

Foram relatados 4.880 casos notificados de difteria, 162 047 casos notificados de coqueluche, 14 272 casos notificados de tétano, 354 820 casos notificados de sarampo, 726 169 casos notificados de caxumba e 114 449 casos notificados de rubéola em um ano, segundo estatísticas mundiais de saúde 2013. 

Em 2011, houve 2.500 mortes por difteria e 4.158 mil mortes por sarampo em todo o mundo — cerca de 430 mortes por dia ou 18 mortes a cada hora. As epidemias anuais de gripe causam de 3 a 5 milhões de casos de doenças graves e de 250 a 500 mil mortes em todo o mundo. Em pessoas saudáveis, a vacinação contra a gripe pode prevenir de 70% a 90% das doenças específicas da gripe. 

A vacinação diminui em 80% as doenças graves e complicações em até 60% em idosos e as mortes. O vírus da Hepatite A é encontrado em todo o mundo e produz cerca de 1,4 milhão de casos de hepatite clínica a cada ano.

Infecções hepáticas crônicas (a longo prazo) afetam mais de 240 milhões de indivíduos. Todos os anos, cerca de 600.000 indivíduos morrem como resultado dos efeitos agudos ou crônicos da hepatite B. A hepatite B é mais comum na África Subsaariana e no leste da Ásia. A maioria das pessoas nessas áreas está infectada com o vírus da hepatite B quando crianças, e 5-10% da população adulta está cronicamente infectada. 

Acredita-se que o HPV seja responsável por 100% dos casos de câncer do colo do útero, 90% dos casos de câncer anal, 40% das ocorrências de malignidades da genitália externa (vulva, vagina e pênis), pelo menos 12% dos casos de câncer de orofaringe e pelo menos 3% dos casos de câncer bucal.

 O câncer do colo do útero é a segunda malignidade mais frequente em mulheres, representando cerca de 530 mil novos casos a cada ano. Mais de 270 mil mulheres morrem por câncer de colo do útero a cada ano, com nações de baixa e média renda respondendo por mais de 85 % dessas mortes.

 

Barreiras e desafios da Imunização de Adultos

Barreiras e desafios da Imunização de Adultos

A organização das indústrias de vacinação infantil e adulta é significativamente diferente. O programa de vacinação pediátrica inclui um calendário uniforme que abrange uma faixa etária restrita e uma rede um pouco pequena de tipos de prestadores. 

O empreendimento de imunização de adultos é mais complexo, abrangendo uma ampla gama de vacinas e uma população-alvo muito diversificada, desde adultos jovens saudáveis até adultos jovens e idosos com condições crônicas até aqueles que são menos propensos a ter um lar médico e procurar atendimento médico em ambientes não tradicionais.

Uma rede igualmente diversificada de especialistas em saúde atende a esse grupo heterogêneo de pacientes. Além disso, as recomendações de vacinação para adultos incluem vacinas que são universalmente recomendadas (influenza), bem como aquelas que são recomendadas para faixas etárias específicas (herpes zoster), vacinas direcionadas a indivíduos com fatores de risco específicos (hepatite A e B), vacinas de viagem (por exemplo, tifóide, febre amarela, poliomielite) e vacinas direcionadas a combinações específicas (por exemplo, tifóide, febre amarela, poliomielite).

Não há infraestrutura de saúde pública organizada para apoiar um programa de vacinação de adultos, como existe para crianças, e há coordenação mínima em termos de provisão vacinal entre profissionais de saúde adultos. Durante a campanha de vacinação contra a gripe H1N1 de 2009-10, essa falta de coordenação foi enfatizada como uma barreira para o sucesso da entrega da vacina contra a gripe H1N1, e continua a ser uma barreira para outras vacinas adultas de rotina.

A imunização de adultos é uma nova questão que está recebendo mais atenção nos programas de tratamento clínico e treinamento profissional de saúde. Várias dificuldades podem impedir o desenvolvimento de um programa de imunização para adultos, incluindo o seguinte:

  • Falta de reconhecimento da importância da imunização de adultos.
  • Falta de recomendação dos prestadores de cuidados de saúde.
  • Falta de conhecimento do profissional de saúde sobre a imunização de adultos e vacinas recomendadas.
  • Deturpação/equívoco dos riscos da vacina e dos benefícios da prevenção de doenças em adultos.
  • Falta de compreensão da segurança e eficácia das vacinas.
  • Oportunidades perdidas para vacinação em postos de saúde, hospitais e asilos,
  • Falta de vacina financiada publicamente e reembolso aos provedores de vacinas,
  • Falta de programas coordenados de imunização para adultos,
  • Falta de requisitos regulatórios ou legais,
  • Medo de injeções e falta de disponibilidade de registros atualizados e sistemas de registro atualizados.

 

Tipos de Imunização

Tipos de Imunização

Imunização ativa:

Quando uma pessoa entra em contato com um microrganismo, por exemplo, a imunização ativa pode ocorrer espontaneamente. Eventualmente, o sistema imunológico produzirá anticorpos e outras defesas contra a bactéria. A resposta imune a este microrganismo no tempo seguinte pode ser bastante eficaz; isso é verdade para muitas doenças infantis que uma pessoa só experimenta uma vez, mas depois se torna resistente.

A imunização ativa artificial envolve injetar o micróbio, ou porções dele, no indivíduo antes que eles sejam capazes de absorvê-lo naturalmente. Ao usar microrganismos inteiros, eles são pré-tratados.

A imunização é tão importante que os Centros Americanos de Controle e Prevenção de Doenças a chamaram de uma das "Dez Grandes Conquistas em Saúde Pública do Século XX".   A patogenicidade das vacinas atenuadas vivas foi reduzida. Sua eficiência é determinada pela capacidade do sistema imunológico de se multiplicar e induzir uma reação semelhante à de uma infecção natural. Uma única dose é geralmente suficiente. Sarampo, caxumba, rubéola, RMM, febre amarela, varicela, rotavírus e influenza são exemplos de vacinação viva e atenuada (LAIV).

 

Imunização passiva:

A imunização passiva é a transmissão de componentes do sistema imunológico pré-sintetizados para uma pessoa para que o corpo não precise fabricar esses elementos em si. Anticorpos agora podem ser usados para imunização passiva. Esta forma de vacinação funciona rapidamente, mas é temporária, já que os anticorpos são naturalmente quebrados, e se não houver células B para criar novos anticorpos, eles desaparecerão.

A imunização passiva ocorre quando os anticorpos são dados da mãe ao feto durante a gravidez para proteger o feto antes e pouco depois do parto.

A imunização passiva artificial é frequentemente fornecida por injeção e é utilizada em casos em que houve um surto recente de uma doença específica ou como uma terapia de emergência para toxicidade, como o tétano. Os anticorpos podem ser criados em animais, que é conhecido como "terapia sárida", mas há um risco substancial de choque anafilático devido à imunidade ao próprio soro animal. Se anticorpos humanizados gerados in vitro pela cultura celular estiverem disponíveis, eles são empregados em seu lugar.

 

Como funcionam as vacinas?

Entendendo como as vacinas funcionam

As vacinas são um método de estimular o sistema imunológico para proteger contra doenças infecciosas. O sistema imunológico é ativado expondo-o a um imunógeno. A imunização é o processo de estimular as respostas imunes com um agente infeccioso. A vacinação implica muitos métodos de dar imunogênicos.

A maioria das vacinas são dadas aos pacientes antes de contraírem uma doença para ajudar a aumentar a proteção futura. Algumas vacinas, no entanto, são dadas aos pacientes depois de já terem pego uma doença. Vacinas administradas após a exposição à varíola têm sido observadas para fornecer alguma proteção contra doenças ou para diminuir a gravidade da doença.

 Louis Pasteur administrou a primeira imunização antirrábica a um menino depois que ele foi mordido por um cão raivoso. Desde o seu desenvolvimento, a vacina antirrábica tem se mostrado eficaz na prevenção da raiva em pessoas quando dada inúmeras vezes ao longo de 14 dias em conjunto com a globulina imunológica da raiva e cuidados com feridas. As vacinas contra aids, câncer e Alzheimer estão entre os mais exemplos. Imunizações desse tipo tentam obter uma resposta imune mais rapidamente e com menos danos do que infecções espontâneas.

A maioria das vacinas são administradas através da injeção porque não são consistentemente absorvidas através dos intestinos. Poliomielite atenuada viva, rotavírus, certos tifóides e algumas vacinas contra cólera são administradas oralmente para induzir a imunidade intestinal. Embora a vacinação tenha um impacto duradouro, normalmente leva várias semanas para fazer efeito. Isso contrasta com a imunidade passiva (transmissão de anticorpos), como durante a vacinação, que tem um efeito imediato.

Uma falha na vacinação ocorre quando um organismo adquire uma doença, apesar de ter sido imunizado contra ela. Quando o sistema imunológico de um organismo é vacinado pela primeira vez, ele não cria anticorpos. Isso é chamado de falha primária de vacinação. Vacinas podem falhar quando inúmeras séries são administradas e nenhuma resposta imune é produzida. A frase "falha vacinal" nem sempre significa que a vacinação está defeituosa. A maioria das falhas de vacinação são decorrentes de diferenças individuais na resposta imune.

 

Vacinação versus Inoculação
Vacinação versus Inoculação

Os termos "inoculação" e "vacinação" são frequentemente utilizados de forma intercambiável. No entanto, embora os conceitos sejam semelhantes, eles não são sinônimos. A vacinação é a administração de um patógeno atenuado (ou seja, menos virulento) ou outro imunogênico para um indivíduo, enquanto a inoculação, também conhecida como variolação no contexto da profilaxia da varíola, é a administração de um vírus da varíola não hidratado nas camadas superficiais da pele, mais comumente o braço superior. A Variolação era frequentemente feita "braço-a-braço" ou, de forma menos eficaz, "sarna-para-o-braço", e frequentemente levava o paciente a ser infectado com varíola, resultando em doença grave em certos casos.

Na China, as aplicações confirmadas de injeção de varíola (variolação) ocorreram na década de 1550, enquanto as vacinas começaram no final do século XVIII com o trabalho de Edward Jenner e a vacina contra a varíola.

 

Como conseguir meu registro de Imunização?

Carteira de vacinação

Infelizmente, nenhuma instituição nacional acompanha os registros de imunização. Essas informações não estão disponíveis no CDC. Os únicos registros existentes são aqueles dados a você ou seus pais quando as imunizações foram administradas, bem como aqueles no prontuário do médico ou clínica onde as vacinas foram entregues.

Existem vários lugares para visitar se você precisar de cópias oficiais dos registros de imunização ou se você precisa atualizar seus próprios registros:

  • Pergunte aos seus pais ou outros cuidadores se eles têm algum registro de suas vacinas de infância.
  • Tente olhar livros de bebê ou outros documentos salvos de sua infância.
  • Verifique com os serviços de saúde do seu ensino médio ou universitário as datas de vacina. Tenha em mente que os registros são normalmente preservados por cerca de 1-2 anos após os alunos deixarem o sistema.
  • Verifique com trabalhos anteriores (incluindo os militares) para ver se as vacinas eram necessárias.
  • Consulte seu médico ou uma unidade de saúde pública. Tenha em mente que os registros de imunização só são mantidos no consultório médico por um curto período de tempo.
  • Entre em contato com a agência de saúde em seu estado. As imunizações de adultos estão incluídas em diversos registros estaduais (Sistemas de Informação em Imunização).

 

O que fazer se não encontrar seu registro?

registros pessoais ou registros médicos

Se você não consegue encontrar seus registros pessoais ou registros médicos, você pode precisar repetir algumas das vacinas. Embora isso não seja o ideal, é seguro administrar novamente as imunizações. Exames de sangue também podem ser realizados pelo seu médico para determinar se você é imune a certas doenças evitáveis por vacinas.

 

Calendário de Vacinação para Adultos

Calendário de Vacinação para Adultos

O CDC recomendou o calendário de imunização para adultos (com idade igual ou maior de 19 anos), por vacina e faixa etária. No entanto, é preciso considerar que pode haver variação de país para país e cada vacina tem suas próprias considerações específicas que podem precisar ser tratadas individualmente.

Vacina

19-26 anos

27-49 anos

50-64 anos

>65 anos

Influenza inativada (IIV) ou

Recombinante de influenza (RIV4) 

1 dose anualmente

Tétano, difteria, coqueluche

(Tdap ou Td)

1 dose Dtp a cada gravidez; 1 dose DP/Dtp para o gerenciamento de feridas

1 dose Dtp, em seguida, DP ou Dtp booster a cada 10 anos

Sarampo, caxumba, rubéola

(RMM)

1 ou 2 doses dependendo da indicação (se nasceu em 1957 ou posterior)

 

Varicela

(VAR)

2 doses (se nascido em 1980 ou posterior)

2 doses

Zoster recombinante

(RZV)

 

 

2 doses

Papilomavírus humano

(HPV)

2 ou 3 doses dependendo da idade na vacinação inicial ou condição

 

Pneumocócico Conjugado

(PCV13)

1 dose

1 dose

Polissacarídeo pneumocócica

)PPSV23)

1 ou 2 doses, dependendo da indicação

1 dose

Hepatite A

)HepA)

2 ou 3 doses dependendo da vacina

Hepatite B

(HepB)

2 ou 3 doses dependendo da vacina

Meningocócica A, C, W, Y

)MenACWY)

1 ou 2 doses, dependendo da indicação

Meningocócica B

)MenB)

2 ou 3 doses dependendo da vacina e indicação

Haemophilus influenzae tipo b (Hib)

1 ou 3 doses, dependendo da indicação

 

Conclusão 

Imunização de adultos

A imunização é o procedimento pelo qual o sistema imunológico de uma pessoa é reforçado contra um patógeno infeccioso (conhecido como imunógeno).

Quando este sistema é exposto a moléculas que são estranhas ao corpo, conhecidas como não-próprias, ele organizará uma resposta imune e, como resultado da memória imunológica, ganhará a capacidade de responder prontamente a um encontro repetido. Esta é uma função adaptável do sistema imunológico. Como resultado, expondo um humano ou um animal a um imunógeno de forma regulamentada, seus corpos podem aprender a se proteger: isso é conhecido como imunização ativa.

Células T, células B e os anticorpos produzidos pelas células B são os componentes mais essenciais do sistema imunológico que são aprimorados pela vacinação. As células B e T de memória estão encarregadas de responder rapidamente a uma segunda interação com um produto químico estrangeiro. A imunização passiva é a entrega direta desses materiais no corpo ao invés do corpo produzir esses elementos.

A imunização é realizada através de uma variedade de métodos, sendo o mais frequente a vacinação. Vacinas contra microrganismos patogênicos podem ajudar a preparar o sistema imunológico do corpo, permitindo que ele lute ou evite uma doença. A ideia de que mutações podem levar as células cancerígenas a gerar proteínas ou outros compostos reconhecidos pelo corpo serve como base teórica para a vacinação terapêutica contra o câncer.  

As imunizações são geralmente relatadas como uma abordagem menos perigosa e mais fácil para desenvolver imunidade a uma doença específica do que arriscar uma versão menor da própria doença. Eles são essenciais para adultos e crianças, pois podem nos proteger das inúmeras doenças que existem. A imunização não só protege os adultos contra infecções fatais, mas também auxilia no desenvolvimento de seus sistemas imunológicos.

Algumas infecções e doenças foram quase totalmente eliminadas em todo o mundo graças ao uso de vacinas. Poliomielite é um desses casos. A poliomielite está erradicada nos Estados Unidos desde 1979, graças aos trabalhadores de saúde, dirigentes e pais que vacinaram seus filhos a tempo hábil

A pólio ainda está presente em outras regiões do mundo; portanto, alguns indivíduos ainda correm o risco de contraí-lo. Isso inclui pessoas que nunca tiveram a vacinação, aquelas que não receberam todas as doses da vacina e aquelas que estão indo para lugares do globo onde a poliomielite ainda é disseminada.

É papel dos médicos de saúde rever regularmente as necessidades de imunização de pacientes adultos, fornecer recomendações e vacinar os adultos. Programas de vacinação bem-sucedidos combinam a formação e a publicidade dos potenciais beneficiários da vacina para promover a vacinação, o aumento do acesso aos serviços de vacinação em ambientes médicos e complementares, como locais de trabalho e estabelecimentos comerciais (por exemplo, farmácias), e o uso de práticas demonstradas para melhorar a cobertura vacinal, como sistemas de recall de lembretes, esforços para remover barreiras administrativas e financeiras à vacinação e o uso de programas de ordem permanente para vacinação.

Um programa abrangente e sustentável de imunização de adultos aumentaria a preparação da saúde pública e os recursos de resposta a emergências, além de melhorar a administração rotineira de vacinas para adultos.